Educação


Criança tem direito de escolher escola



Aos trs anos de idade, meu filho escolheu onde queria estudar. E, pelo menos eu, no me arrependo disso.  A deciso de deix-lo escolher foi negociada com a me dele. Foi uma das atitudes de que mais me orgulho hoje. Sempre entendi que crianas tm sentimentos e vontade, mesmo no tendo discernimento completo sobres eles. Sempre parti do princpio de que elas podem no saber, claramente, o que querem, mas sabem o que no querem. E expressam isso de forma muito rica. Os adultos que no percebem.

Sa com o Lucas para visitar escolas na cidade. O critrio foi ver as mais viveis ao itinerrio de quem fosse lev-lo: a me ou eu. Ainda meio arbitrrios, contrrios liberdade de escolha que eu defendia, mas era preciso conciliar a deciso dele com as nossas possibilidades. Antes isso do que a imposio da vontade adulta como palavra final. Fica j uma reflexo e questionamento aos que decidem ?o melhor para as crianas? alegando que elas no sabem ou no tm ainda idade para escolher: a histria de jovens e adultos medrosos e sem iniciativa so em boa parte derivadas de atitudes equivocadas de adultos tambm podados um dia.

Meu filho escolheu uma escola com a qual se identificou, ainda que no correspondesse proposta pedaggica que eu esperava. Mas isso j era coisa de professor que lia sobre pedagogias alternativas. Nunca existiram de maneira plena por aqui, na cidade e regio. Importa que ele escolheu uma escola de que gostou e, de fato, foi uma deciso feliz. S saiu de l, quando entrou no Ensino Fundamental II.

Minha filha Letcia tambm fez sua escolha. Ela ia comigo algumas vezes, levar ou buscar o Lucas e se encantou desde cedo com a escola do irmo. E no teve nenhum problema de adaptao, da mesma forma que ele. Ela estava em vantagens, pois ele era referncia familiar para ela, mas poderia ter feito outra escolha.  Eu me orgulho de ter dado o direito de ela escolher onde queria estudar e no me arrependo da deciso.

Quando o Lucas fez o Enem, passou em trs universidades federais e tinha duas engenharias em vista para escolher: ou a eltrica ou a mecnica, alm de Geofsica. A ltima palavra foi dele: Engenharia Eltrica no Cefet-MG. Pode ser que ele descubra no ter feito a escolha certa, mas fico a pensar se ele teria a maturidade suficiente mesmo para errar, se no tivesse sido o mnimo respeitado na sua escolha quando criana.

Quando Letcia chegou ao Ensino Mdio, queria sair da cidade. Defendi, novamente, o direito de ela escolher as escolas onde participaria da seleo. Ela foi aprovada, mas ficou por aqui. Fui voto vencido diante dos familiares que discordaram da ida dela por ser muito nova. Ela foi ser aprovada em duas dentre quatro escolas onde participou da seleo. E dentre as duas, escolheu a que queria. Mais uma vez, me sinto orgulhoso do que fizemos.

Letcia e eu tiramos um dia para conhecer melhor as escolas. Ficamos pelo menos por trs horas em cada uma delas. Visitamos as dependncias, conversamos com representantes da coordenao pedaggica, do administrativo e do financeiro.  Samos com a deciso tomada por minha filha. Fizemos muitas perguntas, para termos critrios de escolha.  Deu certo!

Pode ser que meus filhos no sejam felizes, pois felicidade e sucesso so experincias pessoais e fogem a qualquer preparao escolar e ao controle da cincia. Todavia, penso que esto mais preparados para alegrias e desafios da vida, com o direito que tiveram de escolher a escola por eles mesmos. Passamos boa parte da nossa vida nela. Tem de ser cu.

Jos Antnio dos Santos

Mestre pela UFSJ

Contato: joseantonio281@hotmail.com



Você está lendo o maior jornal do Alto Paraopeba e um dos maiores do interior de Minas!
Leia e Assine: (31)3763-5987 | (31)98272-3383


Escrito por Educação, no dia 05/12/2016


Comente esta Coluna