Educação

Enem com questões mais maduras

Especialistas estão dizendo que as questões do Enem alcançaram grau visível de maturidade desde 2014 e que as de 2016 consolidam essa tendência. Resta indagar se os candidatos estão no mesmo nível das questões. Estão sendo consideradas questões maduras aquelas que cobram conteúdos aplicados e contextualizados, exigindo análise e interpretação dos estudantes. Estão ligadas à temas contemporâneos emergenciais e de relevância social, o que exige maturidade intelectual e cidadã dos candidatos. Evidentemente, muitos secundaristas estão à altura dessas exigências. Isso pode ser notado pela grau de maturidade de jovens engajados no movimento de ocupação de escolas públicas. Via de regra, são líderes e militantes de movimentos sociais.

A vivência de situações conflitantes que exigem argumentação dos estudantes leva muitos a uma maturidade intelectual. Conseguem maior domínio de conteúdos se comparados à massa de alunos espectadores que apenas assistem a aulas ?de camarote?, quase sempre entediados e desmotivados por questões nacionais. Daí a disparidade entre o perfil de aluno que o Enem espera e o que realmente acontece na maioria das escolas particulares e públicas. Os analistas insistem que estudantes de escolas particulares e públicas que não foram incentivados a pensar criticamente a realidade e que não desenvolveram maturidade intelectual e autoridade de argumentação acharam as provas difíceis.

O dilema entre um Enem que exige capacidade argumentativa madura e crítica do aluno em contraposição a práticas cidadãs alienadas em muitas escolas foi sentido pelo aluno que teve de dissertar na redação deste ano sobre caminhos para superar a intolerância religiosa no Brasil. Fico a pensar na armadilha em que muitos caíram, uma vez que só treinaram questões. Falta no ensino médio programas educacionais que oriente o aluno para a discussão madura e para um engajamento em práticas sociais como meio de criar na escola a cultura da tolerância, da paz e do respeito à diversidade cultural.

Penso que muitos tiveram uma grande dificuldade em escrever como agentes observadores do fenômeno da intolerância religiosa, uma vez que a cultura escolar brasileira, grosso modo, é intolerante e preconceituosa, bem contrária ao mito da sociedade cordial que criaram sobre nós. O bullying é exemplo material disso. Para agravar, os alunos não desenvolvem a habilidade da observação crítica objetiva, necessária à argumentação científica, que se afasta do objeto para melhor observá-lo e descrevê-lo, sem preconceitos e intolerâncias.  Estamos longe de ensinar esta habilidade, mas o Enem está cobrando exatamente isso. Eis o dilema!

 

Imagino como muitos caíram da armadilha de fazerem proselitismo sobre sua religião, quando a proposta não era essa. Para se livrar dessa tentação, o Ensino Médio precisa assegurar aos alunos sólida formação humanística para além das disciplinas exatas. Imagino, ain­da, quantos elogiaram sua religião denegrindo, principalmente, as de matriz africana. Quantos não devem ter produzido texto se vitimando diante de intolerâncias, mas sendo igualmente intolerantes na sua argumentação?

 

Inacreditavelmente, autoridades ameaçam tirar a Filosofia e a Sociologia do Ensino Médio, quando elas são, tecnicamente, as disciplinas que mais podem ajudar os estudantes a construir suas habilidades de observar, ouvir, analisar, refletir e interpretar fatos sociais e a elaborarem análises fundamentadas, superando o senso comum que se limita à opinião e ao preconceito. Enquanto isso não acontece, aposto que continuaremos tendo muitos zeros na redação e mais espancamentos nessa sociedade que fala bonito, mas não tolera as diversidades culturais.   

José Antônio dos Santos

Mestre pela UFSJ

Contato: joseantonio281@hotmail.com



Coluna enviada no dia 22/11/2016




Comente esta coluna

Galerias

Turma dos “Ô Quêêê” celebra 20 anos de existência às margens do velho e piscoso rio Guaporé

Enquetes

Qual notícia chamou mais sua atenção?


Enquetes 2


No momento, não temos nenhuma enquete ativa.


Colunistas




EXPEDIENTE

DIRETOR-PRESIDENTE E EDITOR: Luiz Fernando de Andrade GERÊNCIA GERAL: Clésio Samuel Luiz Peixoto SUB-GERENTE: Edmilson Moreira Dutra REDATORA: Juliana Monteiro REDATOR-ADJUNTO: Hugo Pacheco Jr. REPORTAGEM: Frances Santana / Rafaela Melo PAGINAÇÃO GRÁFICA: Daniel Vieira / Raquel Gonçalves PUBLICIDADE: Mara Rúbia de Oliveira Silva / Silvana Ribas REVISÃO E DIGITAÇÃO: Jussara Andrade COORDENADOR DE ESPORTES: Amauri Machado (DRT 08266) BANCO DE DADOS: P. de Souza SECRETÁRIA: Norma Aparecida Vitoreti Ramalho CIRCULAÇÃO: Valdiney Rodrigo Vieira Rodrigues IMPRESSORES GRÁFICOS: Wilson Ricardo de Souza / Willian Ribeiro CONSELHO EDITORIAL: Dr. José Álvaro Castanheira / Luiz Fernando de Andrade / Clésio Peixoto / Juliana Monteiro