Política


Glaycon Franco homenageia Mestre Nem da Capoeira



O deputado Glaycon Franco participou, no dia 8 de janeiro, na Casa do Teatro, de reunião cultural, oportunidade em que homenageou o capoeirista Mestre Nem.  Há 38 anos engajado na valorização da arte da capoeira em Conselheiro Lafaiete, Antônio Carlos Manoel, o Mestre Nem, tem agora seu trabalho reconhecido em nível estadual. Glaycon Franco entregou-lhe uma honraria a título de reconhecimento do alcance social e cultural do ensino da capoeira, particularmente aos jovens de comunidades da periferia. 

 

Glaycon prestou-lhe a homenagem reconhecendo sua grande importância em sua comunidade, por desenvolver um trabalho contínuo de insersão social ao longo dos últimos 38 anos.

 

Em entrevista, o homenageado falou da emoção que sentiu ao receber este reconhecimento público: É muito bom saber que nosso trabalho mudou a vida de tanta gente. "Quero agradecer ao Glaycon Franco. E também deixar claro que nosso trabalho não vai parar. Temos muito a fazer ainda. Lógico que quando você recebe um reconhecimento deste, de um deputado, passa um filme na sua cabeça. Muitas vezes eu deixava de comprar comida para a minha família para investir na capoeira. Crianças chegando com fome, descalças...Hoje já avançamos. Eu não posso fazer de coração um agradecimento: Obrigado deputado! Quero que o senhor saiba que ainda faremos muito juntos. Pelas crianças e jovens. Por Lafaiete. Quero que meu povo, o da periferia, o mais pobre, tenha seus direitos preservados. Quero que eles tenham o direito de escolher entre uma vida saudável, que tenham seus direitos preservados, que possam ter o direito de escolha, para seguir no caminho do bem, e para isto ter projetos sociais que abram a cabeça, o coração e deem oportunidade concreta para eles".

 

O deputado Glaycon Franco mostrou-se grato com a grande participação de entidades na solenidade: "O Mestre Nem merece nossa homenagem, são muitos anos de luta, vivendo dificuldades em prol de nossa sociedade. Foi muito importante. Estiveram aqui, além da capoeira, o Hip Hop, escolas de samba, representantes do movimento negro organizado, além de outras entidades. Todos para nos apoiarem nesta homenagem."


Escrito por Redação, no dia 19/01/2018