Educação


Professores exaustos, resultados ruins



Recentemente, a prefeitura de So Paulo concedeu 7,6% de aumento aos professores a serem divididos em duas parcelas. Em seguida, veio a notcia que mostrou dar com uma mo e tirar com a outra: "Para ampliar as matrculas na pr-escola, a gesto Fernando Haddad (PT) tem colocado mais alunos por sala do que prev a norma da prpria prefeitura de So Paulo." (Folha de So Paulo)

Os especialistas sabem que essa condio massiva de trabalho gera relaes massificadas e no personalizadas de ensino e a aprendizagem fica comprometida. a perversa lgica da produo em massa, as necessidades das crianas so ignoradas e todos ficam ofuscados um na sombra do outro, como apenas um a mais. No precisamos de especialistas, para enxergar os prejuzos que isso traz formao das crianas.

Os professores, na solido silenciosa ou silenciada da sala de aula, desdobram-se o ano todo e fazem um trabalho que deveria ser feito por dois ou trs profissionais.  Ensinam no atacado e as crianas acompanham o que do conta e da forma como conseguem dar conta. As secretarias municipais de Educao acham que esto fazendo o mximo, apenas reformando prdios de escola, com um discurso falacioso de que a figura mais importante e central do processo so as crianas. Porm, a realidade vai negando esses discursos, mostrando um professor exausto e uns resultados ruins produzidos pelo pssimo desempenho das crianas.

Evidentemente, no faltam secretrios para dizer que a culpa dos professores. E, de fato, muitos professores do motivo para isso, pois so piores do que seus superiores: tiveram uma formao precria, reagem formao permanente e no se atualizam. Algum colocou na cabea de muitos candidatos docncia que no preciso se preparar bem, para trabalhar com crianas. E as autoridades concordam com eles e lhes oferecem o mnimo, com baixos investimentos em educao. No d pra saber quem faz pior se governantes ou governados. No fim das contas, fica claro que os dois lados sucateiam a educao.

Quanto menos preparados, mais inseguros os professores se tornam e pior o trabalho nas escolas. A consequncia prtica: professores exaustos e despreparados, sem a cultura de estudos do aluno, s pode vir resultados ruins. De secretrios de educao que superlotam as salas de aula, como a gesto Haddad est fazendo, s se espera o caos. tremendamente assustador e vergonhoso ver que a educao pblica est em nvel deplorvel nas capitais que pulsam como corao financeiro e poltico do pas e nas cidades do interior, como se sabe de algumas escolas da nossa regio. Quem perde so as crianas.

Principalmente nas sries iniciais, ainda muito pequenas e novas, elas necessitam de um acompanhamento individualizado. As salas de aulas precisariam ter poucos alunos, com a presena de, pelo menos, dois professores por turma, em um trabalho colaborativo, que possibilitasse aos profissionais diagnosticar o perfil de cada criana e de dar a cada estudante o acompanhamento de que necessitasse. Alm de no existir isso, os docentes (em geral, so professoras) ainda recebem alunos com necessidades educacionais especiais e o que se ouve que a escola tem de se ajustar s novas demandas. Qualquer poltico cobraria mais repasse de verbas para ajustar seu trabalho a novas demandas sociais, enquanto professores exaustos tm de fazer o milagre de trabalhar com o mais, recebendo migalhas.

E se a concentrao de renda em setores pblicos, o uso ilcito das verbas a corrupo poltica fossem realmente combatidos no governo da esquerda dos ltimos anos no pas? A educao no estaria menos catica?  Os docentes no estariam menos malformados e mais bem remunerados? No estariam menos cansados e os alunos com desempenho e resultados decentes? O que se v so professores trabalhando exaustos em todas as redes de ensino, com salrios baixos e resultados ruins de seus alunos. Como difcil ser educador neste pas!

Jos Antnio dos Santos

Mestre pela UFSJ

Contato: joseantonio281@hotmail.com



Você está lendo o maior jornal do Alto Paraopeba e um dos maiores do interior de Minas!
Leia e Assine: (31)3763-5987 | (31)98272-3383


Escrito por Educação, no dia 08/04/2016




Comente esta Coluna