Frei Tibúrcio


Frei 1473/2019



Horror
Depois de três anos de tranquilidade, eis que a população de Lafaiete – com raríssimas e boas exceções - relaxou e deixou, novamente, o mosquito da dengue entrar e fazer a festa. A doença cresceu cerca de 37% na cidade, se comparado com o mesmo período do ano passado, e já são 284 casos prováveis re­gistrados e 20 confirmados. Ou seja, não adianta política pública se o povo não fizer sua parte, evitando acúmulo de água em casa, depósitos de lixo irregulares, etc. Infelizmente a dengue não escolhe suas vítimas e geralmente os inocentes e os que cumprem com suas obrigações é que ficam doentes. Haja policlínica para aguentar tanta gente reclamando de dor. Leia reportagem sobre o assunto na página 35 desta edição.

Até que enfim!
O cemitério paroquial Nossa Senhora da Conceição, outrora um local limpo e um campo santo sagrado – há tempos é manchete, principalmente neste Jornal CORREIO, por causa da sujeira – ele nunca fica limpo – do mato, do lixo, dos escorpiões e de um monte de gente reclamando do mal atendimento. Agora, os vereadores resolveram en­trar de sola no problema e convocaram uma audiência pública para discutir no olho a olho o problema (leia reportagem sobre o assunto na página 6 desta edição) . Espera-se que o polêmico administrador daquele local vá à reunião e dê explicações para os muitos problemas já provados e debatidos amplamente. Ninguém aguenta mais o blá-blá e a fúria inexplicável contra quem, como este pe­rió­di­co, ousa criticar aquele local mal ad­mi­nis­trado. Oremos!

Agora vai (4)
Depois de anunciado que a fiscalização do trânsito passará às mãos da Polícia Mili­tar, espera-se uma ação mais efetiva da corporação contra essas motocas barulhentas e sem escapamento, que atormentam a cidade e, por tabela, a população. Em cada 10 lafaietenses, com todo o respeito, 11 são contra es­sas motos sem o miolo do escapamento. Alô, PM. Cadê vocês? Ajuda a gente aí!

Contas rejeitadas
A prestação de contas do prefeito de La­faiete, Mário Marcus Leão Dutra (DEM), relativa ao exercício de 2017, foi rejeitada. A informação é do Ministério Público de Contas de Minas Gerais. O órgão divulgou o relatório em que o procurador Daniel de Carvalho Gui­marães, após análise, opinou pela rejeição. O motivo seria a abertura de créditos su­ple­men­tares e especiais, no valor de R$196.574, sem que houvesse recursos dispo­ní­veis para essas despesas. O chefe do Executivo lafaietense te­rá um prazo para apresentar defesa.



Você está lendo o maior jornal do Alto Paraopeba e um dos maiores do interior de Minas!
Leia e Assine: (31)3763-5987 | (31)98272-3383


Escrito por Frei Tibúrcio, no dia 17/05/2019


Comente esta Coluna