Quarta, 15 de Julho de 2020
Comunidade


Chuvas causam pane em sistemas elétricos de Lafaiete e região



As chuvas de sexta-feira, dia 13, causaram transtornos em vários pontos da cidade. Na entrada do Paulo VI (zona sul), uma árvore caiu e provocou a interdição do trânsito. Problemas na rede elétrica deixaram no escuro moradores de bairros como Centro e Rosário. Segundo o coordenador da Defesa Civil, Carlos Alberto de Oliveira, em 2h, choveu 35mm. Volumes até 40mm não chegam a ser considerados tão altos, mas o vento forte e o granizo deixaram muita gente assustada.

Prejuízos também para quem teve aparelhos queimados durante o temporal, como foi o caso do técnico mecânico industrial, Enio Almeida Fi­gueiredo. Em sua casa, foram danificados o motor do portão de garagem e um receptor de TV por assinatura, totalizando R$400. E olha, que não foi a primeira vez que isso aconteceu: "Há algumas semanas, foi um televisor de 32" LCD (R$ 800). O tempo estava firme e o aparelho é relativamente novo. Acionei a concessionária, já que, a meu ver, havia fortes evidências de variação de tensão. Mas a Cemig negou o ressarcimento. Recorri à Aneel. Para minha surpresa, a agência se mostrou bastante indiferente. Também por variação de tensão, tive R$250 de um prejuízo com a queima de uma placa eletrônica de máquina de lavar. Pretendo recorrer a outras instâncias, não tanto pelo valor, mas pela indiferença e abuso", desabafa.

As fortes descargas causaram grandes estragos em sistemas de segurança em vários pontos da cidade e fez crescer de maneira exponencial as chamadas por assistência técnica. José Luiz da Silva, sócio da AL Segurança,  fala que a quantidade exata ainda não foi calculada, mas o número de ordens de serviço para reparos por causa da chuva foi muito grande. "E tende a aumentar, porque alguns ainda não nos contataram", explica. O tipo de equipamento danificado varia bastante de um cliente para o outro: "Alguns perderam interfones, portões eletrônicos, câmeras, aparelhos de gravação, TVs, monitores, alarmes, além de vários equipamentos eletrônicos e geladeiras, comprometendo assim diversos alimentos congelados", detalha.

Para o técnico, não foi uma chuva comum: "O que vimos, nos últimos anos, foi o aumento ex­pressivo de tempestades isoladas, como essa, ocorrida no dia 13, com alto índice de descarga atmosférica", destaca. E a resposta para tudo isso não está na data ? que para os supersticiosos é sinônimo de azar ? e sim, debaixo da terra: "O Brasil é um dos países com maior índice de descarga atmosférica. Agravando isso, nossa região tem grandes reservas de minério de ferro em seu subsolo, o que intensifica descarga não só na cidade de Conselheiro Lafaiete, mas em seu entorno", frisa.

Ainda segundo José Luiz, todo equipamento eletrônico de segurança instalado é dotado de garantia de 12 meses, dada pelo fabricante. "Mas a garantia cobre defeitos de fábrica e não sinistros como os de sexta-feira, quando houve uma tempestade com altos índices de descarga atmosférica - o que é considerado fenômeno da natureza, e também grandes oscilações de energia", conclui.

Quando pedir ressarcimento na Cemig

Muita gente não sabe, mas a Cemig é obrigada a ressarcir o prejuízo causado por perturbações na rede elétrica. De acordo com o agente de Comercialização Eduardo Alberto C. M. Júnior, as descargas elétricas produzem um campo eletromagnético que se dissipa pelo ambiente, criando (induzindo) tensões em qualquer elemento condutor. "A rede Cemig é apenas uma das possibilidades. A Aneel estabelece que a concessionária deve ressarcir os danos provocados nos equipamentos eletroeletrônicos apenas quando esses forem causados por perturbações em sua rede elétrica", detalha.

O cliente que se achar nesse direito deve fazer uma solicitação de ressarcimento por telefone (116), no portal na internet ou em uma das agências de atendimento, em até 90 dias após a ocorrência do dano. "O consumidor deve ter em mãos o número do cliente ou da instalação, identidade e CPF, telefone para contato e informar qual equipamento foi danificado, marca, modelo e tempo de uso do produto, bem como a data e a hora do ocorrido", explica.

 A Cemig tem até 15 dias para analisar a solicitação e encaminhar uma resposta ao cliente. A distribuidora também poderá optar por realizar, em até 10 dias do registro da solicitação, uma verificação dos equipamentos elétricos danificados e das condições das instalações elétricas. Se o equipamento for reparado antes dos prazos acima, a distribuidora estará isenta de responsabilidade. Quando solicitado, o cliente deverá providenciar um laudo/orçamento para o conserto do equipamento em uma oficina de sua livre escolha e encaminhá-lo para a Cemig. Após a análise e sendo confirmado o nexo de causalidade, a Cemig efetua o ressarcimento do dano ao cliente em até 20 dias corridos", finaliza.

Segundo a Cemig, durante o período chuvoso, entre novembro de 2014 e abril de 2015, foram registrados danos em 182 equipamentos em Lafaiete. 61 deles foram considerados procedentes.




Você está lendo o maior jornal do Alto Paraopeba e um dos maiores do interior de Minas!
Leia e Assine: (31)3763-5987 | (31)98272-3383


Escrito por Rafaela Melo, no dia 25/11/2015


Comente esta Notícia