Esportes

Francisco Aramburu, o atacante vascaíno Chico

Esse “Quarto de História” do futebol – identificação dada pelo formato editorial de ¼ de página – tem despertado muito o interesse e comentários dos mais variados fiéis leitores. O Projeto do Caderno de Esportes tem o atrevimento de ser o maior espaço na imprensa mineira, destinado exclusivamente ao esporte local e regional. Apesar de aqui o foco estar sendo os jogadores profissionais, o aspecto local se evidencia pela arte do colaborador e pesquisador Jefferson Chaves, nascido aqui. Portanto, é a arte esportiva lafaietense sendo evidenciada através do Jornal CORREIO.

Atendendo a várias sugestões, inclusive do Naércio e de uma legião de vascaínos pela cidade, para o “Quarto de História” desta edição, Cha­ves nos trouxe a história de mais um vascaíno: Francisco Aram­buru, o Chico. Apro­veitamos a oportunidade para homena­gear os vascaínos, que no do­mingo, dia 8, alcançaram a liderança do Carioca/2015.

No começo deste ano, dia 7 de janeiro, o ponteiro esquerdo Chico estaria completando 93 anos. Mas no dia 1º de outubro de 1997, no Rio de Janeiro, aos 75 anos ele “subiu” para a “tribuna divina”. Chico nasceu em Uruguaiana (RS), na divisa com a Argentina e o Uruguai. Começou sua carreira em 1939, no Ferrocarril (RS). Em 1941, foi para o Grêmio e no começo de 1942 já estava no Vasco (RJ), onde ficou até 1954. Nos dois anos seguintes, jogou no Flamengo. Pela Seleção Brasileira foram 21 jogos e 8 gols entre 1945 e 1950, quatro destes na trágica Copa de 50.

O ponteiro esquerdo era muito veloz, chutava forte e com os dois pés. Titular absoluto da “11” vascaína, travava duelos sensacionais com seus marcadores, especialmente com o lateral Biguá, do Flamengo. Em sua passagem pela Seleção Bra­sileira, Chico teve bom desempenho, foi um dos seis convocados do Vasco, mas arrumou “pra cabeça” num jogo em Buenos Aires. Ao revidar uma entrada mais dura de um zagueiro, formou–se uma bri­ga generalizada e ele acabou apanhando da polícia argentina a golpes de “sabre”.

Pelo Vasco da Gama, onde marcou 127 gols em 289 partidas, foi campeão Sul-Ameri­cano de 1948, com o “expresso da vitória”, e no Carioca em 45,47,49,50 e 52, mas na época que se transferiu do Grêmio para o Vasco (1942) chegou a pensar em parar com o futebol, ao ter que deixar suas raízes gaúchas. “Sempre valente, Chico não era de “procurar” brigas, mas se elas acontecessem, era o primeiro a chegar e o último a sair”, conta Jefferson.

Seus cruzamentos eram precisos, especialmen­te para Ademir, outro da legião vascaína na Seleção. Na Copa de 50, Chico marcou dois gols na goleada de 7 a 1 sobre a Suécia e nos 6 a 1 sobre os espanhóis, ele marcou o terceiro gol. (Amauri Machado)


Notícia enviada por Agnaldo Baeta, no dia 31/03/2015




Comente esta Notícia

Galerias

Turma dos “Ô Quêêê” celebra 20 anos de existência às margens do velho e piscoso rio Guaporé

Enquetes

Qual matéria chamou mais atenção?


Enquetes 2


No momento, não temos nenhuma enquete ativa.


Colunistas




EXPEDIENTE

DIRETOR-PRESIDENTE E EDITOR: Luiz Fernando de Andrade GERÊNCIA GERAL: Clésio Samuel Luiz Peixoto SUB-GERENTE: Edmilson Moreira Dutra REDATORA: Juliana Monteiro REDATOR-ADJUNTO: Hugo Pacheco Jr. REPORTAGEM: Frances Santana / Rafaela Melo PAGINAÇÃO GRÁFICA: Daniel Vieira / Raquel Gonçalves PUBLICIDADE: Mara Rúbia de Oliveira Silva / Silvana Ribas REVISÃO E DIGITAÇÃO: Jussara Andrade COORDENADOR DE ESPORTES: Amauri Machado (DRT 08266) BANCO DE DADOS: P. de Souza SECRETÁRIA: Norma Aparecida Vitoreti Ramalho CIRCULAÇÃO: Valdiney Rodrigo Vieira Rodrigues IMPRESSORES GRÁFICOS: Wilson Ricardo de Souza / Willian Ribeiro CONSELHO EDITORIAL: Dr. José Álvaro Castanheira / Luiz Fernando de Andrade / Clésio Peixoto / Juliana Monteiro