ETE provoca martírio




A soldadora Marilene dos Santos mora no bairro Satélite e confirma o problema: “O mau cheiro está muito forte e chega a causar dor de cabeça. Isso traz problemas para mim e para as crianças; todas são vítimas do mau cheiro. Inauguraram a ETE, mas o mau cheiro ficou e não voltaram para tentar resolver o problema. É um descaso muito grande com a população. Ontem, por exemplo, passei o dia todo com dor de cabeça. Basta a gente entrar na rua para sentir o odor forte”, relatou.

 

A balconista Regiane Riceli também mora no Satélite. Segundo ela, o problema é mais intenso em alguns momentos do dia: “Na parte da manhã, o odor é intenso por volta das 11h; na parte da tarde, piora as 14h, e durante a noite, fica praticamente o tempo todo. Nós, moradores do bairro, não imaginávamos passar por esse problema. No princípio, pensávamos que o mau cheiro vinha do vaso sanitário, mas, com o tempo, percebi que a insatisfação era geral. Quando começaram a construir a ETE, ninguém passou em nossas casas para falar sobre o processo de tratamento do esgoto. O governador veio até o bairro e fiquei muito surpresa; nossa indignação não é pela ETE e, sim, pela maneira como está sendo estruturada, causando esse fedor”, afirma.

  



Você está lendo o maior jornal do Alto Paraopeba e um dos maiores do interior de Minas!
Leia e Assine: (31)3763-5987 | (31)98272-3383


Escrito por Arquivo, no dia 14/05/2010


Comente esta Notícia