Cultura


Andarilhos Queluzianos celebram 15 anos de amizade e filantropia

Grupo criado em 2004 já reúne 115 participantes, que desbravam a região em caminhadas mensais


Cerca de 2700 km e 180 caminhadas separam um grupo de amigos de sua primeira aventura juntos: uma volta pela orla da bela lagoa da Pampulha, na capital mineira. Entre novembro de 2004 e os dias de hoje, esse grupo cresceu: foi de cerca de 10 pessoas para 114 integrantes que trazem na bandeira uma reverência à história de sua terra ,e no coração, o espírito solidário. Mais fortalecidos que nunca, os Andarilhos Queluzianos completam 15 anos de estrada.
Idealizado por Reuber Antoniazzi, o grupo se reúne para caminhadas mensais, sempre por estradas de terra, o que não só oferece mais segurança como permite desbravar a região rural próxima a Lafaiete. Cada roteiro é cuidadosamente planejado e estruturado: os andarilhos contam com a participação de carros de apoio, que garantem atendimentos necessários aos participantes e a distribuição de água.
Mas o que torna cada encontro especial é a oportunidade de reunir os amigos – que hoje já são uma grande família, compartilhar suas histórias e fazer o bem. Desde a primeira caminhada, os Andarilhos Queluzianos praticam a filantropia de forma habitual. Em várias oportunidades, eles distribuem alimentos, roupas e calçados. Em 2011, a direção do grupo experimentou a realização de uma feijoada beneficente para 800 pessoas. O sucesso foi tamanho que esse evento passou a figurar no calendário anual de atividades do grupo.
Também em 2011, os Andarilhos Que­luzianos foram convidados pela diretoria do Clube Dom Pedro II para participar do tradicional Arraial, com uma barraca de comidas típicas. Como a participação também foi um sucesso, o grupo se tornou presença garantida na festa junina. Toda a renda obtida nesses dois grandes eventos é revertida na compra de itens diversos, solicitados por várias entidades filantrópicas da cidade.

Símbolo dos Andarilhos

Quem acompanha a trajetória desse grupo já se acostumou a ver sua bandeira estendida pelos mais variados cantos de Minas. Ela leva uma mensagem de carinho e reconhecimento à história da cidade. Homenageando os caminhantes (andarilhos), a cidade de Conselheiro Lafaiete (Queluz) e também as Violas de Que­luz, a logo do grupo traz a imagem de uma verdadeira viola de Queluz, feita pelo saudoso andarilho José Robert André, falecido recentemente. Sobre o braço dessa viola, estão vários caminhantes e, contornando essa figura, o título de Andarilhos Queluzianos.

Laércio Rezende Amaral (adaptado)
Andarilho Queluziano





Você está lendo o maior jornal do Alto Paraopeba e um dos maiores do interior de Minas!
Leia e Assine: (31)3763-5987 | (31)98272-3383


Escrito por Redação, no dia 29/11/2019


Comente esta Notícia