Saúde


São Camilo vai sortear motos, bicicleta e TV para levantar fundos

Hospital espera contar com a ajuda da comunidade para se reerguer em meio a maior crise financeira de que se tem notícia em sua história


Lutando para se reestruturar em meio a mais grave crise financeira de que se tem notícia em sua história, o hospital São Camilo, mais uma vez, se apoia na solidariedade dos moradores de Lafaiete e região para manter suas portas abertas. Com uma dívida estimada em mais de R$1,5milhão, a nova direção da entidade tem buscado renegociar, cortar gastos e obter verbas de subvenção. Mesmo assim, a situação ainda é complicada. Por isso, um dos caminhos encontrados tem sido realizar leilões itinerantes e uma grande campanha solidária. Em uma delas, é possível doar R$10, que serão revertidos para o custeio das despesas mensais do hospital.
A título de incentivo, o hospital irá promover prêmios, que serão distribuídos pelo número do cupom. Quem fizer esse gesto solidário estará concorrendo a uma bicicleta, uma TV e duas motos, que também foram doadas. O sorteio já está marcado para as 15h do dia 23 de dezembro – bem próximo do Natal – na rua Tavares de Melo, 29, Centro, em frente ao São Camilo. Os cupons podem ser adquiridos na recepção do hospital ou com agentes especializados. A expectativa é atingir 20 mil doações para somar uma arrecadação de R$200 mil. Toda ação conta com o apoio do grupo Amigos da Saúde.
Entenda o caso – com dívidas em atraso, ou­tras renegociadas, empréstimos para honrar e um atendimento quase todo voltado para pacientes do SUS (que remunera procedimentos abaixo do custo real), o Hospital São Camilo vem enfrentando uma grave crise financeira. De acordo com os cálculos feitos pela nova gestão da entidade, já foi apurada uma dívida superior a R$1,5 milhão: “O hospital tem algumas dívidas que são operacionais, como folha de pagamento, gastos com água, luz, mas o que mais onera o hospital hoje são os refinanciamentos. O hospital vivia de muitos empréstimos, feitos periodicamente. Alguns se estendem até 2029. São dívidas assumidas para pagar FGTS, fornecedores, cheques pré-datados e que impactam demais, especialmente no caso de um hospital que recebe pelo SUS. E a gente não pode deixar de pagar essas dívidas, ou o hospital perde sua certidão negativa, deixando de receber subsídios e de manter convênios. Hoje, só de renegociação para o mês, pagamos algo em torno de R$34 mil”, detalha.
E não pagar essas renegociações sai mais caro, como no caso citado por Marcus Vinicius do Nascimento. “A conta de água do hospital gira em torno de R$4mil, mas se for paga em dia, há um subsídio, que faz cair o valor mais ou menos pela metade. Como a antiga administração deixou de pagar uma renegociação com a Copasa e atrasou a conta por três meses, ela voltou ao seu valor real e a situação ficou mais difícil, porque vamos ter que pagar a conta do mês e as atrasadas, que serão no valor de R$ 4 mil e pouco, ou seja, uma despesa que gira em torno de R$ 12 mil. Se estivesse cumprindo a negociação, seria a metade”, explica.
Ainda há o caso de dívidas que teriam permanecido abertas, sem qualquer negociação: “O hospital contraiu uma dívida com uma companhia de gás em 2008, se não me engano. Na época, girava em torno de R$ 60 a R$ 80 mil. Como não foi paga, cobraram na Justiça e acabamos de ser comunicados de que havia o risco do valor ser confiscado do caixa do hospital – cerca de R$ 166 mil. Nossa advogada está tentando fazer uma conciliação amigável”, explica. Esse, inclusive, tem sido um dos caminhos adotados: “Estamos buscando esses credores para negociar dentro da realidade do hospital, porque não queremos propor algo que não vamos conseguir cumprir”, afirma.
Arrecadação de verbas - Mesmo com uma gestão mais equilibrada, o hospital ainda continua dependendo da comunidade para recuperar sua saúde financeira. E é nessa parte que atua Nilson Sobrado, membro do Conselho Deliberativo, fazendo uma ponte entre a comunidade e o hospital. “Estamos chamando essa união de empresários, população e todos que querem ajudar o hospital de abraço solidário. O telefone dos amigos da saúde (3763-8000) vai ficar instalado aqui por um tempo, para receber essas doações. Além disso, estamos fazendo leilões itinerantes nas cidades vizinhas. Ainda haverá a “Ajuda entre amigos”, que vai sortear 2 motos, uma bicicleta e uma televisão. Nós fizemos 200 talões e precisamos de voluntários que nos ajudem a vender, oferecendo para seus amigos, parentes. O sorteio será no dia 23 de dezembro, em frente ao hospital.




Você está lendo o maior jornal do Alto Paraopeba e um dos maiores do interior de Minas!
Leia e Assine: (31)3763-5987 | (31)98272-3383


Escrito por Redação, no dia 27/11/2019


Comente esta Notícia