Saúde


Brasil reduz em 8% casos de infecção por tuberculose e HIV



As pessoas que vivem com o HIV têm 25 ve­zes mais chances de desenvolver tuberculose do que uma pessoa que não tem o ví­rus. Isso acontece de­vido à fragilidade do sistema imunológico que é responsável por defender o organismo contra do­en­ças e, as­sim, as pessoas com HIV ficam mais suscetíveis a desenvolver, ao mesmo tempo, a tuberculose – doença infectocontagiosa que afeta prioritariamente os pulmões. No Brasil, em 2017, dos 74,8 mil novos casos de tuberculose registrados, 11,4% apresentaram resultado positivo também para o HIV, o que representa 8,5 mil pessoas infectadas pelas duas doenças (TB-HIV). Esse é o menor percentual registrado desde 2014, quando 12,4% (8,8 mil) das pessoas identificadas com tuberculose também viviam com HIV.
Desde então, o país vem conseguindo diminuir a coinfecção a partir da ampliação do diagnóstico e tratamento disponíveis no Sistema Úni­co de Saúde (SUS), gratuitamente, para as duas doenças. Em 2009, eram 3.162 pacientes em uso de medicamentos antirretrovirais para HIV du­rante o tratamento da tuberculose. Em 2017, esse número passou para 5.155 pacientes, um aumento de 63%. Além disso, ao longo dos anos, o Mi­nistério da Saúde tem ampliado o número de testes rápidos de HIV distribuídos aos es­tados: em 2014, fo­ram 6,4 mi­lhões de testes distribuídos e, em 2019, fo­ram 13,8 milhões de testes, um aumento de 116%. A infecção dupla por tu­­berculose e HIV au­men­ta em mais de 200% a chance de óbito quando comparado a pes­soas com tuberculose e sem HIV. Significa que dentre as pessoas com HIV e TB, 19% evoluem para óbito, contra 6,2% naquelas que possuem apenas tuberculose, sem a presença do vírus HIV.

Diagnóstico tuberculose/HIV

Para o diagnóstico precoce e início do tratamento, o Ministério da Saúde recomenda que em todas as oportunidades de atendimento às pessoas vivendo com HIV, seja feita a investigação para tuberculose. Da mesma forma, todas as pessoas diagnosticadas com tuberculose devem ser testadas para o HIV. Muitas vezes, os pacientes coinfectados só têm o diagnóstico da infecção pelo HIV durante a investigação/confirmação da tuberculose. De acordo com o boletim epidemiológico, em 41,7% dos casos de coinfecção, o diagnóstico do HIV aconteceu devido a ocorrência da tuberculose. Ainda, do total de 5.155 casos de coinfecção TB-HIV que estavam em tratamento para HIV, 58% (3.026) iniciaram o tratamento antirretroviral em decorrência da tuberculose.

 




Você está lendo o maior jornal do Alto Paraopeba e um dos maiores do interior de Minas!
Leia e Assine: (31)3763-5987 | (31)98272-3383


Escrito por Redação, no dia 12/10/2019


Comente esta Notícia