Política


Audiência Pública debateu volta do trem de passageiros em Lafaiete

O autor do requerimento de audiência, deputado Glaycon Franco (PV), destaca a importância do transporte ferroviário para o País e a necessidade de reativação do ramal de passageiros entre Lafaiete e Belo Horizonte.


A renovação antecipada da concessão ferroviária da MRS Logística vai trazer investimentos para Conselheiro Lafaiete. Uma das obras asseguradas pela empresa é um viaduto sobre os trilhos que cortam o município e são um gargalo no trânsito, conforme antecipou o prefeito Mário Marcus Leão Dutra.

Mas durante audiência da Comissão Extraordinária Pró-Ferrovias Mineiras da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) na cidade, realizada na sexta-feira, dia 27, ficou claro que moradores e lideranças querem, principalmente, a volta do trem de passageiros no chamado Ramal Paraopeba, que chega a Belo Horizonte.

“Esse transporte de passageiros alavancaria ainda mais o desenvolvimento da nossa região. É demanda e sonho do nosso povo”, sintetizou o deputado Glaycon Franco (PV), que solicitou a audiência. Para ele é necessário garantir esse investimento nas discussões da renovação do contrato da MRS. “Conselheiro Lafaiete é uma antes da estrada de ferro e outra depois da estrada de ferro”, reiterou.

Além de ser um anseio da cidade, vereadores e prefeitos destacaram que os trens de passageiros e de pequenas cargas seriam uma solução para evitar os constantes acidentes na BR-040, impulsionar o turismo e fazer o transporte de produtos da agropecuária, sobretudo o leite. Muitos participantes também relataram ser ex-ferroviários ou filhos de ferroviários, com histórias de vida ligada às ferrovias.

Houve, porém, quem duvidasse da realização desse “sonho”, que já teria sido anunciado em outros anos e não seria de interesse das concessionárias. O presidente da comissão, deputado João Leite (PSDB), destacou o momento diferente e propício a investimentos, em função da renovação das concessões e também da elaboração do Plano Estratégico Ferroviário (PEF), pelo governo de Minas. Segundo ele, a Fundação Dom Cabral (FDC) já foi contratada para fazer o diagnóstico do PEF.

“No início, nós éramos contrários à renovação antecipada. Mas percebemos que estávamos diante de uma oportunidade para o retorno do trem de passageiros. Isso vai acontecer”, apostou. Ele também comunicou apresentação da Proposta de Emenda à Constituição 43/19, que busca garantir na Carta mineira o cumprimento do PEF.

Lideranças de Conselheiro Lafaiete entregaram à comissão um documento com o estudo de viabilidade técnica do trecho até Belo Horizonte, feito pela Universidade Federal de Minas Gerais. Ele será encaminhado à FDC, conforme garantiu João Leite. Eles sugeriram, ainda, visita técnica ao trecho. Representantes de outros municípios da região também participaram da audiência.

Empresa pode ceder passagem para trem de passageiros

A MRS deve ceder o direito de passagem para trens de passageiros a empresas interessadas. É o que prevê o contato atual da companhia, conforme atestou o gerente de Controle e Fiscalização de Infraestrutura e Serviço da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), Daniel de Oliveira Santos. A MRS, porém, não pode operar essa linha, como a Vale faz na Estrada de Ferro Vitória à Minas.

Durante entrevista, o consultor Ferroviário da MRS Logística Sérgio Henrique Carrato afirmou que a necessidade de altos investimentos na linha férrea intimida eventuais interessados. Segundo ele, o Ramal Paraopeba tem linha única (singela), o que poderia comprometer o transporte de passageiros do ponto de vista da segurança. “Temos que lutar para ter linhas duplas”, reiterou.

Para o consultor, porém, o PEF será um norte dentro das políticas públicas do Estado a determinar os investimentos no modal. Carlos Magno Rodrigues, diretor do Sindicato dos Trabalhadores Ferroviários de Conselheiro Lafaiete, reiterou que o transporte de passageiros junto com o de cargas seria arriscado. “Haveria muitos atrasos também”, completou.

Ele defende que, a partir dos novos contratos de concessão, a duplicação das linhas seja uma exigência. “A maioria das estações do Ramal Paraopeba estão recuperadas ou passíveis de recuperação”, afirmou. Segundo a ANTT, em dois ou três meses, será finalizada a análise das contribuições colhidas na fase de audiências da renovação da concessão da MRS.

Por vídeo, o diretor de Relações Institucionais da MRS, Gustavo Bambini, reiterou a disposição para o debate com os municípios, uma vez que a outorga envolve um bem público. João Leite sugeriu que os municípios da região se unam para a elaboração das diretrizes estratégicas relacionadas às ferrovias.
 

Fonte: ALMG




Você está lendo o maior jornal do Alto Paraopeba e um dos maiores do interior de Minas!
Leia e Assine: (31)3763-5987 | (31)98272-3383


Escrito por Redação, no dia 28/09/2019


Comente esta Notícia