Polícia


Apesar de campanha, 20% das ligações para a PM são trotes



A campanha de conscientização ?Não ao Trote?, feita pela Polícia Militar para a população lafaietense, tem demonstrado resultados, segundo informações do 31° Batalhão. Seja pela eficácia da campanha ou pelo receio de penalizações a que as pessoas que passam trote estão submetidas, a PM afirma que o número de trotes diminuiu. Entretanto, a cada turno de trabalho de 8h, aproximadamente 20% das ligações ainda consistem na ?brincadeira?.
Segundo a Polícia Militar, a maior incidência de trotes ocorre após o horário das aulas, no fim da manhã e no fim da tarde. Os trotes mais comuns são feitos por crianças e adolescentes: ?Todos os militares que trabalham no atendimento ao número 190 são treinados para conseguir identificar a veracidade do fato relatado pelo solicitante, o que evita empenhos e deslocamentos desnecessários de viaturas e policiais?.
Embora o maior índice de ligações seja feito por crianças, quando os pais são responsabilizados, já houve situações em que no deslocamento da viatura, houve a prisão em flagrante de um adulto, que estava realizando trote em telefone público. A Polícia Militar afirma que para trotes há punição e ocasionamento de crime, segundo o Decreto de Lei 2.848 do código Penal, variando a pena de um a cinco anos e multa.

A companhia da Polícia Militar alerta para os prejuízos e transtornos causados por esse ato criminoso: ?Além de congestionar a linha de emergência e atrapalhar o atendimento de um chamado real, existe o desperdício de recursos e dinheiro público pelo deslocamento de viaturas e desgaste de peças e combustíveis. E o maior prejuízo é o comprometimento da segurança?, pondera.
Os policiais pedem para que os pais orientem seus filhos e expliquem a importância do trabalho da polícia e as implicações que um trote pode gerar para a sociedade. Os pais devem conscientizar seus filhos também sobre as punições e consequências desse ato: ?Todos os telefones de emergência da agência possuem identificadores de chamadas, por isso todas as ligações são identificadas e aqueles casos que se enquadram em crime, as medidas cabíveis são tomadas?.
Ainda segundo a corporação, a Polícia Militar trabalha diuturnamente para servir e proteger o cidadão. ?O telefone 190 é a porta principal para um atendimento de qualidade. Por isso, devemos ser conscientes de sua utilização. Vamos deixar esse número apenas para as situações de urgência em que seja necessária uma intervenção policial. Lembre-se de que hoje pode ser seu vizinho que precisa ser atendido rapidamente no 190, mas amanhã pode ser você. É uma questão de educação e conscientização. Não passe trotes?, orienta.

Tipos mais comuns

Segundo a Polícia Militar, há dois tipos mais comuns de trotes: ?Aqueles em que a pessoa liga e não fala nada, faz algum tipo de piada, fala palavras de baixo calão ou outras coisas alheias ao serviço de emergência e aqueles trotes em que a pessoa narra a ocorrência de um crime que na verdade não ocorreu. Nos dois casos podemos falar em punição e crime. Por isso, dependendo da situação, o autor do trote pode estar sujeito a punições específicas.
De acordo com a Lei 2.848 do Código Penal, os autores dos trotes podem responder pelos seguintes crimes:
Artigo 265: atentar contra a segurança ou o funcionamento de serviço de água, luz, força ou calor, ou qualquer outra situação de utilidade pública. Pena: reclusão de um a cinco anos, e multa.
Artigo 266: Interromper ou perturbar o serviço telegráfico, radiotelegráfico ou telefônico, impedir ou dificultar seus restabelecimentos. Pena: detenção de um a três anos e multa.
Artigo 340: Provocar a ação da autoridade, comunicando a ocorrência de crime ou de contravenção que sabe não ter sido verificada. Pena: detenção de um a seis meses ou multa.




Você está lendo o maior jornal do Alto Paraopeba e um dos maiores do interior de Minas!
Leia e Assine: (31)3763-5987 | (31)98272-3383


Escrito por Redação, no dia 27/02/2019


Comente esta Notícia