Comunidade


2º Encontro dos Alunos da 8ª A do Centro de Formação Profissional



Há quase 20 anos foi realizado o primeiro en­contro. Não era para demorar tan­to, mas o segundo Encontro dos Alu­nos da 8ª A do Cen­tro de Formação Profis­sional (1972 a 1975) só veio a ser marcado para o próximo dia 6 de outubro. Em 1999, foi emocionante: lágrimas e muitos sorrisos rechearam as lembranças e histórias de um período em que se viveu a juventude (entre 15 e 18 anos) e a formação de uma irmandade na primeira turma aprovada no acordo RFFSA/Senai.

Em 1972, quando essa turma estava na 5ª A, eram 30 estudantes, mas ainda durante o curso, passaram a ser 28 pela desistência de dois alunos. O tempo passou e Nilton, Neném e Luiz Carlos, foram fazer companhia a Deus. De 1999 para cá, o 'batalhão' foi reduzido com os passamentos de Edvaldo, Jorge e, agora, há cerca de 15 dias, do Clério. Vários professores também partiram para o descanso eterno.

Para o dia 6, o projeto é 'matar' a saudade, pedir a proteção de Deus pelos que estiverem presentes e também os ausentes. Um está no exterior. Como no primeiro encontro, os professores, alguns perto de completar o centenário, serão convidados e a eles serão sugeridos temas ? política, saúde, convivência com a ida­de, família ? para breves comentários, passando as experiências de vida.

Neste ano, a então Escola Profissional Eu­gê­­nio Feio (1928), depois, a partir de 1972, Cen­tro de Formação Profissional/Senai e, mais tar­de, desde novembro de 1996, escola municipal Professor Luiz Carlos Gomes Beato, completou 90 anos de história e foi homenageada pela atual diretora Ana Marislene, no desfile cívico de 7 de setembro. Cerca de 90 ex-alunos e professores desfilaram com o educandário. Nesse desfile, o assunto ganhou detalhes finais e foi, então, definida a data do dia 6 para o 2º Encontro.

"Em abril, surgiu a ideia de reunir a turma novamente. Os primeiros 'o que você acha?' ga­nharam corpo, veio o desfile e a emoção apressou a definição da data. Nossa turma é como uma irmandade: só de comentar ao telefone com o Gonzaga que havia localizado o Ronaldo, que há 40 anos ele não o via, a emoção tomou conta dos três. Assim é a nossa turma", comentou Amauri Machado, um dos organizadores, juntamente com o Mazinho e o Vado.

"Nesses encontros, temos a oportunidade de nos revermos, saber como cada um está", destacou Vado. "Apesar da grande irmandade, a maior dificuldade é mesmo reunir a turma; achar uma data que sirva para todos. Alguns são mais difíceis de convencer", lembrou Mazinho. O que na época seria um projeto de vida, uma profissão de ferroviário, serviu como base para hoje ser um grupo formado por engenheiro, professor, diretor de rádio, diretor de TV, empresários, funcionário público, pedreiro, eletricista, ferroviário, enfim, em sua maioria aposentados e voltados ao voluntariado.

Além dos 'irmãos' Altanir, Amauri, Toninho, Calé, Arani, Calico, Enésio, Geraldo, Gilmar, José Cláudio, Gonzaga, José Luiz, Zé Roberto, Sebastião, Josumar, Lúcio, Luiz Cláudio, Manoel, Omar, Vado, Ronaldo, Ru­bens e Silmar, serão convidados, também, os professores Wilson Borges, Afonsino, José Izidoro, Luiz Cerqueira, Rodolfo Furtado, Rolando Ponciano, José Siqueira e João Ta­vares. José Simão e outros engenheiros de área da época também serão convocados. "A dificuldade tem sido localizar alguns deles. Aproveito para solicitar a quem tiver informações que entre em contato conosco pelo telefone 31-9.8616-8123", enfatizou Machado. Gilmar lembrou que está lançada a semente e que outras turmas podem viver também a emoção de um encontro. (Amauri Machado).



Escrito por Redação, no dia 11/10/2018