Comunidade


Enem 2018: confira dicas do professor José Antônio para a prova deste ano



Faltam seis meses para o Enem 2018 e para quem não deu início aos estudos, ainda está em tempo de correr atrás e se preparar. Fazer os próprios fichamentos e ficar ligado em materiais disponíveis na internet são duas das sugestões de quem atua na área. Confira algumas dicas para este momento com o mestre em educação, José Antônio dos Santos.

"Sempre é hora de estudar. O prejuízo aumenta a cada hora e dia de dúvida dos estudantes, se deve ou não começar. A hora é agora. Alunos com maior dificuldade de compreensão, interpretação e assimilação conceitual precisam buscar ajuda de pessoas experientes, para realizarem seus estudos e diminuírem o prejuízo por não terem começado a estudar antes", comenta.

Quem ainda não começou a se preparar, a sugestão do professor é que façam gestão de tempo e energia pessoal para os estudos. "O desafio é saber fazer de forma certa. Para isso, existem alguns procedimentos básicos e essenciais: organização do tempo, divisão desse tempo, pegando primeiro os temas fáceis, mas menos aprendidos e apreendidos. Para garantir a motivação interna, o melhor é começar mesmo por temas fáceis, mas é preciso passar logo para os temas mais complexos e pouco dominados. Mas também é essencial fazer exercícios de interpretação. Pura perda de tempo memorizar sem entender", explica.

José Antônio alerta que esses procedimentos geram uma ansiedade natural. Mas, se forem adotados em cima da hora, nem vão funcionar. "Vão gerar apenas mal-estar e a sensação de incompetência e fracasso. A maioria das pessoas não está preparada para aprender sob pressão. Portanto, a sugestão é: organize-se e organize suas atividades. Se não sabem fazer sozinhos, peçam ajuda", orienta.

 

 

Como montar o cronograma de estudo

                                                                                    

Segundo o professor José Antônio, é essencial aplicar critérios para montar um cronograma de estudos. Os jovens precisam de ajuda para fazerem isso bem feito. O ideal é ter um cronograma montado com temas alternados entre temas de áreas diferentes de conhecimento. Assim, passa-se da Filosofia à Física, por exemplo. "Planejamento e organização é o milagre para todas as atividades humanas. Nosso sistema de ensino cobra os alunos para fazerem isso bem, mas somos relaxados, professores e alunos e, em geral, não fazemos isso bem, ou nem fazemos. A gestão dos estudos com método pressupõe planejamento e assegura ganho significativo de resultados. Como somos ruins para fazer isso, não acreditamos nos milagres que o planejamento consegue realizar", argumenta.

O professor também deu algumas dicas para fazer uma boa redação: "Redação implica em construção de estrutura lógica de raciocínio e argumentação". Portanto, se você está pensando em começar a se preparar fique atento às dicas do professor.

·          Atentem-se ao meio da redação. Aí está o filé da escrita: fundamentação teórica do tema proposto, defesa de uma tese, persuasão do leitor.

·         Apropriem-se de expressões sociais agigantadas na mídia como "políticas de inclusão", "expropriação de direitos", "debates sobre sustentabilidade".  Esse domínio de escrita mostra que o aluno se apropriou de um universo conceitual esperado para o nível de ensino médio, mostrando maturidade cognitiva e autonomia intelectual.

·         Procurem ter foco. Isso significa atentar-se ao tema, sem devaneios. O foco nos ajuda a ser objetivos. Ser objetivo é ficar colado ao objeto de discussão e análise. Claro que isso exige base de conhecimento. Quem não tem base cognitiva começa a inventar e a 'encher linguiça', para fazer o texto render.

·         Elaborem frases curtas. As grandes verdades estão nas frases mais simples e curtas. Pense em Lavoisier: "Dêem-me uma alavanca e eu moverei o mundo." Nessa frase as palavras são simples e o conteúdo é gigante. Podemos até não saber como demonstrar a verdade dessa frase nas equações sobre peso, massa e ponto de aplicação da Física, mas entendemos o conteúdo dela sem maiores esforços.

·         Escrevam frases fáceis. Escrever bem não é usar palavras difíceis, mas argumentar bem.

·         Cuidado para usarem argumentos de autoridade como forma de impor verdades. A cidadania contemporânea, em teoria pós-crítica, nos mostra que na escrita vale mais a autoridade do argumento do que o argumento de autoridade.

·         Façam a pergunta crítica: uma pessoa com menos escolaridade que eu compreenderia meu texto? Meu texto mostra sequência lógica com início, meio e fim?

·         Tentem produzir um texto, aplicando habilidades sociais e cognitivas. Uma delas é dissertar apresentando argumentos que associem conceitos e gerem diálogos entre conceitos de áreas de conhecimentos diferentes entre si. Por exemplo: um argumento sociológico associado a um argumento da Biologia.

·         Acessem redações nota mil de estudantes em edições anteriores do Enem e se atentem às estruturas e criatividades usadas pelos colegas.

Além das orientações anteriores, é preciso atentar-se a outros itens práticos:

·         Bobagem dormir pouco, para estudar mais. Tudo tem limite. E tudo que é demais entorna, desanda. A serotonina, encarregada de recompor nossa memória, se refaz com boas horas de sono. Portanto, a receita é relaxar e dormir.

·         Ingerir estimulantes para memória, ou para ficar aceso é agressão ao organismo e só gera mal estar, senão depressão e desânimo, seguidos do sentimento de fracasso. Não se destruam desnecessariamente. A vida é uma só. Temos de viver intensamente cada momento, mas aumentando energia de forma natural e não comprometendo nossas forças e condições saudáveis de saúde.

·         Tentem estudar resolvendo questões anteriores. Prestem atenção ao enunciado das questões e às palavras e expressões desconhecidas.  Apropriem-se delas.

·         Recomendo que aceite a possibilidade de que não esteja preparado e renove seus propósitos para o ano seguinte. Seja rigoroso consigo. Faça como Thomas Edson: mostre para si mesmo que já tentou várias formas equivocadas de inventar a lâmpada e tente se reinventar. Boa sorte!


Escrito por Redação, no dia 11/06/2018