Depressão é uma doença e o paciente precisa de apoio e tratamento - CORREIO DA CIDADE
Saúde

Depressão é uma doença e o paciente precisa de apoio e tratamento

Pesquisas apontam que 20% das mulheres apresentam a doença, pelo menos uma vez ao longo da vida. Já entre os homens o índice é de 12%. Há algumas hipóteses na tentativa de explicar essa diferença expressiva: a dupla jornada feminina, que concilia os afazeres domésticos com sua atividade profissional; outro fator de vulnerabilidade reconhecido hoje, para desencadear a depressão é a violência sexual, uma vez que muitas mulheres  são vítimas de abuso sexual e estupro e as diversas variações hormonais que a mulher sofre ao longo da vida (ciclo menstrual, gravidez e a menopausa).

Apoio familiar

De acordo com a psicóloga Renata Fernanda Dias, em um quadro de depressão, a pessoa se sente fragilizada e, muitas vezes, desacreditada e abandonada. "Esta pessoa precisará de um olhar atencioso, acolhedor, afetuoso, sem julgamentos. Quem estiver próximo de uma pessoa com depressão pode ajudar, demonstrando preocupação para com ela, disposição para ouvi-la, para acolhê-la", orienta.

Para melhor auxiliar, é importante que se busque informações a respeito da depressão, para compreender as características da doença e, principalmente, para não subestimar a sua gravidade. "Encoraje a pessoa a falar sobre seus sentimentos e esteja disposta a ouvir sem julgar", comenta a psicóloga, orientando também ouvir as preocupações do paciente, sem pressa, olhando atentamente para a pessoa. "É necessário não desistir. Muita paciência é fundamental para combater o discurso negativo e repetitivo da pessoa depressiva", afirma, ressaltando que estar presente ou fazer algo junto é um excelente encorajamento.

A psicóloga também orienta a evitar dizeres tais como: "está tudo na sua cabeça"; "todos nós passamos por momentos como esse e eu não posso fazer nada sobre sua situação"; "você só pensa em ficar na cama". Além disso, ela, informa que é importante incentivar a pessoa com depressão a buscar ajuda com um psicólogo. "Este profissional, a partir de uma avaliação criteriosa do paciente, o encaminhará a um médico psiquiatra, caso seja necessário", afirma.

Outra dica da profissional é ajudar a pessoa a fazer uma lista completa de sintomas para discutir com o profissional, acompanhar a pessoa a primeira consulta e a outras, se for necessário e ajudar a pessoa com depressão a manter seus compromissos (desde frequentar as terapias, como tomar os medicamentos corretamente).

Diagnóstico

Dados epidemiológicos revelam que a história de depressão na família é fator de risco para o diagnóstico, sendo que filho de pais com depressão apresentam três vezes mais chances de desenvolver o transtorno durante a vida quando comparados a filhos de pais não depressivos. É necessário um diagnóstico precoce para que se inicie um tratamento eficaz. A partir do momento em que o quadro começa a se instalar é importante buscar tratamento. Quanto mais rápido buscar ajuda, mais rápido a pessoa sentirá alívio de seus sintomas.

" O medo do estigma "não sou doido" impede que algumas pessoas procurem tratamento e desfrute de uma vida mais produtiva. Mesmo a depressão mais grave pode ser tratada, desde que a pessoa busque ajuda", afirma Renata.

Tratamento

O tratamento envolve psicoterapia, medicamentos, outras terapias mais específicas e até procedimentos alternativos.

 

Prevenção

Mesmo não existindo garantias de que seja possível prevenir completamente a doença, existem alguns meios de "prevenir" a doença ou de sofrer recaídas.

Algumas sugestões:

Invista na qualidade de vida, procure uma rotina equilibrada, com atividades que tragam prazer. Cuide bem da sua saúde geral, pratique atividades físicas. Mantenha-se em contato com pessoas que você goste, passe seu tempo livre com pessoas que você ame. Busque sempre coisas novas para fazer. Aí você descobrirá seus novos talentos e se orgulhará de suas novas conquistas.

Seja uma pessoa autodeterminada, planeje e organize suas ações sem perder o foco. Se você propõe fazer algo, faça, conclua. Se você só fala e não age, perde sua autoconfiança. Então seja confiável para você.

Evite situações e pessoas que te fazem se sentir mal. Busque amigos, faça novas amizades. Tome iniciativa, não espere que os outros venham até você. Seja gentil e agradável com as pessoas.

Se perceber que está infeliz com algo que você pode mudar, então comece hoje (pode ser iniciar uma dieta, uma atividade física se estiver incomodada com seu peso).



Serviço

Renata Fernanda Dias

Psicóloga CRP 04 -13463

Endereço: av. Telésforo Cândido Resende, 380, 4° andar, sl 405, Mix Shopping, Lafaiete

Telefone: (31) 9 95956258


Notícia enviada por Redao, no dia 31/05/2018




Comente esta Notícia

Galerias

Noite de homenagens em Lafaiete promovida pela agência de pesquisa RJSUL Comunicação (antiga CNPP)

Enquetes

Qual notícia chamou mais sua atenção?


Enquetes 2


No momento, não temos nenhuma enquete ativa.


Colunistas




EXPEDIENTE

DIRETOR-PRESIDENTE E EDITOR: Luiz Fernando de Andrade GERÊNCIA GERAL: Clésio Samuel Luiz Peixoto SUB-GERENTE: Edmilson Moreira Dutra REDATORA: Juliana Monteiro REDATOR-ADJUNTO: Hugo Pacheco Jr. REPORTAGEM: Frances Santana / Rafaela Melo PAGINAÇÃO GRÁFICA: Daniel Vieira / Raquel Gonçalves PUBLICIDADE: Mara Rúbia de Oliveira Silva / Silvana Ribas REVISÃO E DIGITAÇÃO: Jussara Andrade COORDENADOR DE ESPORTES: Amauri Machado (DRT 08266) BANCO DE DADOS: P. de Souza SECRETÁRIA: Norma Aparecida Vitoreti Ramalho CIRCULAÇÃO: Valdiney Rodrigo Vieira Rodrigues IMPRESSORES GRÁFICOS: Wilson Ricardo de Souza / Willian Ribeiro CONSELHO EDITORIAL: Dr. José Álvaro Castanheira / Luiz Fernando de Andrade / Clésio Peixoto / Juliana Monteiro