Opinião

O que fazer quando você descobre que seu filho está usando drogas ? Confira algumas orientações no artigo da semana

O UNIVERSO DA DEPENDÊNCIA QUÍMICA E DESAFIOS PARA PAIS E EDUCADORES (PARTE 1) 

O uso de drogas é um fenômeno complexo, envolve variados fatores e, a combinação destes, pode conduzir para uma maior vulnerabilidade no uso, caracterizando abusos ou determinando dependências às substâncias psicoativas.

Neste contexto, é importante ressaltar como algumas características individuais poderão influenciar: aspectos envolvidos no desenvolvimento emocional, traços de personalidade, fatores genéticos e comorbidades.

A literatura aponta que as primeiras experiências no uso de drogas ocorrem, geralmente, na adolescência, devido à vulnerabilidade nessa fase. Há uma estreita relação entre a experimentação precoce de drogas e a maior probabilidade de problemas futuros, como abuso e dependência.

A adolescência é um período marcado por uma ambivalência evidenciada nas atitudes contraditórias, na oscilação de humor, nas incertezas, nas angústias e na maior sensibilidade ao prazer. Os obstáculos que acompanham essa fase evolutiva, leva o indivíduo a um relacionamento conturbado tanto consigo mesmo quanto com os outros. E a busca de alívio para essa ¨crise pode ser a responsável pelo envolvimento dos jovens em atividades de risco, como o uso de drogas. Observa-se também na prática clínica, que alguns jovens se apresentam mais resilientes, ou seja, mesmo frente às adversidades de um ambiente problemático, conseguem um enfrentamento diferenciado, utilizando suas habilidades em prol da superação de seus conflitos.

Se há crise na adolescência, observa-se que há também crise na sociedade, com seus valores contraditórios, crise dos pais, pois estes não estão conseguindo responder aos atos desvairados de seus filhos, que portam uma angústia de existir sem referências. Outra questão que se observa é a tentativa dos pais em transferir a responsabilidade de educar para professores, educadores, conselhos tutelares e outras instituições. Existindo uma pluralidade de figuras de autoridades que se esvaziam na qualidade dessas relações.

A escola, como espaço onde os jovens passam a maior parte do tempo, torna-se um ambiente privilegiado para diversas reflexões que poderão influenciar a adoção de comportamentos saudáveis. A instituição educacional pode assumir um papel importante na prevenção primária, por meio de ações que objetivem evitar o desenvolvimento de problemas decorrentes do uso de substâncias psicotrópicas. Ao mesmo tempo, os educadores precisam estar atentos para com os jovens que já têm problemas com o uso de drogas, orientando ações de prevenção secundária, que visem evitar a evolução para problemas crônicos. Nesse sentido, torna-se fundamental que os profissionais de educação estreitem sua parceria com os profissionais de saúde para juntos desenvolverem projetos que possam efetivamente auxiliar o jovem.

Na perspectiva de se compreender os riscos associados ao uso de substâncias ilícitas, aos quais se encontram expostos adolescentes e jovens, no que se refere ao ambiente social ou comunitário, como local de inserção do indivíduo, se podem citar como fatores de risco a disponibilidade e a circulação de drogas; a facilidade de acesso a bebidas alcóolicas; dificuldades no desenvolvimento da afetividade; e, outros. Acrescente-se, ainda, a potencialização dos riscos pela desorganização da estrutura comunitária, decorrentes de investimento social e educacional insuficientes.



Confira no próximo artigo a importância do papel da família



Psicóloga:  Renata Fernanda Dias

Endereço: avenida Telésforo Cândido Resende, n° 380- 4° andar - sala 405- Mix Shopping

Telefone: (31) 9 95956258

 

 



Notícia enviada por Redao, no dia 07/05/2018




Comente esta Notícia

Galerias

Anunciando a primavera, ipês colorem Lafaiete

Enquetes

Qual notícia chamou mais sua atenção?


Enquetes 2


No momento, não temos nenhuma enquete ativa.


Colunistas




EXPEDIENTE

DIRETOR-PRESIDENTE E EDITOR: Luiz Fernando de Andrade GERÊNCIA GERAL: Clésio Samuel Luiz Peixoto SUB-GERENTE: Edmilson Moreira Dutra REDATORA: Juliana Monteiro REDATOR-ADJUNTO: Hugo Pacheco Jr. REPORTAGEM: Frances Santana / Rafaela Melo PAGINAÇÃO GRÁFICA: Daniel Vieira / Raquel Gonçalves PUBLICIDADE: Silvana Ribas REVISÃO E DIGITAÇÃO: Jussara Andrade COORDENADOR DE ESPORTES: Amauri Machado (DRT 08266) BANCO DE DADOS: P. de Souza SECRETÁRIA: Norma Aparecida Vitoreti Ramalho CIRCULAÇÃO: Claudinei Rodrigo da Silva IMPRESSORES GRÁFICOS: Wilson Ricardo de Souza / Willian Ribeiro CONSELHO EDITORIAL: Dr. José Álvaro Castanheira / Luiz Fernando de Andrade / Clésio Peixoto / Juliana Monteiro