Cultura


Acordo promete reabrir as portas que ?levam ao insondável? da Casa de Cultura



Muito em breve, quando a poetisa e historiadora Avelina Maria Noronha de Almeida chegar a janela de sua casa, ela verá o imóvel ao qual sua professora, Gabriella Mendonça deu nome, finalmente restaurado. A espera por esse momento é vivida por lafaietenses que cultivam o valor dos patrimônios históricos, mas, para a poetisa, terá um sabor especial. A expectativa fica por conta do acordo que prevê uma compensação de R$ 2,1 milhões para que o imóvel passe por restauração.  

 O local, foi desocupado em novembro de 2014, em virtude de uma recomendação da Defesa Civil e do Corpo de Bombeiros. Por várias vezes, o Jornal CORREIO denunciou o estado precário do imóvel, que, de portas fechadas, ainda não tinha previsão para ser restaurado. Um livro de registros feitos pela professora Gabriella Mendonça e guardado, com todo zelo, por Avelina revela um pouco da preocupação que a mestra tinha em preservar o trabalho que desenvolvia com seus alunos. Foi na escola particular aberta em sua casa, que ela ficou conhecida como Tia Biela e contribuiu para que diversas personalidades do município aprendessem as primeiras letras. Muitos de seus sobrinhos passaram por aquele casarão e parecem ter sido encantados pelo ambiente que sempre emanou cultura e saber.

Leia mais na edição impressa, que estará nas bancas a partir deste sábado, dia 14 de abril

 



Você está lendo o maior jornal do Alto Paraopeba e um dos maiores do interior de Minas!
Leia e Assine: (31)3763-5987 | (31)98272-3383


Escrito por Redação, no dia 13/04/2018


Comente esta Notícia