Comunidade

Por medo da violência, moradores fecham beco com portão

Colocar um portão, impedindo o acesso de pessoas estranhas ao local: essa foi uma medida extrema tomada por moradores de uma alameda no São Sebastião, na zona oeste de Lafaiete. Após denúncia sobre o assunto publicada no Jornal CORREIO, moradores da alameda São Jorge decidiram se manifestar e revelaram o motivo do medo. Conforme contam, a decisão foi tomada para a segurança dos moradores, assustados com a violência crescente no entorno e com a presença, cada vez mais frequente, de estranhos. "O beco é escuro e não tem iluminação. Então, estava sendo usado por qualquer um, para fazer sexo, urinar ou usar drogas. A gente se cansou de retirar camisinhas e restos de cigarro aqui", informa uma mulher, que mora há 36 anos no local.

Segundo afirma a mulher, antes de instalar o portão, os moradores das quatro casas na alameda teriam discutido a decisão entre si, chegando a um consenso de que esta seria a decisão mais acertada. O passo seguinte teria sido buscar a autorização do poder público.  "Em setembro de 2017, protocolamos um pedido na prefeitura para que fosse instalado o portão. Mas até o momento, não tivemos resposta. Um vereador, inclusive, nos orientou a fazer o portão e colocar", afirma. A princípio, o grupo teria avaliado o panorama e considerado que a decisão seria a mais acertada, em nome da segurança. "Isso aqui é um beco; não tem metragem para rua e nem saída. Recentemente, o trecho foi asfaltado e denominado alameda São Jorge. Mas é apenas um espaço entre quatro casas ? três delas habitadas por parentes", detalha.

Executado o serviço, teria surgido a primeira discordância. "Fizemos cópias das chaves para todos que moram no beco. A ideia era deixar o portão aberto de dia e fechá-lo só à noite, mas um morador se recusou a receber as chaves. Os moradores das outras três casas concordaram. Por isso, estamos deixando aberto mesmo à noite.  A casa dele possui acesso por outro ponto, mas para chegar às garagens que ele possui, é preciso passar pelo beco", afirmam os moradores.

A moradora também insiste que o portão seria a única alternativa viável para a segurança. "Em momento algum qualquer vizinho foi proibido de entrar. Mas precisamos pensar na segurança. As meninas que estudam na faculdade e chegam à noite têm medo de entrar no beco e serem surpreendidas por alguém que tenha se escondido lá. A gente não tem liberdade de entrar e sair. À noite, sempre que um dos moradores está chegando, liga para saber se não há ninguém estranho no beco. Podemos fazer um acordo, se o vizinho que discorda quiser, mas à noite é muito importante que esse portão seja fechado", finaliza.

 

Vizinho denuncia

No início de fevereiro, o assunto foi denunciado ao Jornal CORREIO. Um morador da rua São Jorge alegou que os moradores da alameda de mesmo nome teriam instalado o portão, fechando o acesso ao local. "Essa alameda dá acesso a minha rua, a São Jorge. Alguns moradores, por sua conta, puseram um portão fechando a saída. Fui na prefeitura e eles me disseram que ninguém pode colocar um portão fechando a rua e encaminharam o assunto para o jurídico. Estou aguardando resposta. Gostaria de saber se é certo fechar uma rua pública, por conta própria, sem autorização", relatou, o morador na época.

 

 



Notícia enviada por Redao, no dia 28/02/2018




Comente esta Notícia

Galerias

Adjan Ela & Casa realiza a terceira edição do Dia da Noiva

Enquetes

Qual notícia chamou mais sua atenção?


Enquetes 2


No momento, não temos nenhuma enquete ativa.


Colunistas




EXPEDIENTE

DIRETOR-PRESIDENTE E EDITOR: Luiz Fernando de Andrade GERÊNCIA GERAL: Clésio Samuel Luiz Peixoto SUB-GERENTE: Edmilson Moreira Dutra REDATORA: Juliana Monteiro REDATOR-ADJUNTO: Hugo Pacheco Jr. REPORTAGEM: Frances Santana / Rafaela Melo PAGINAÇÃO GRÁFICA: Daniel Vieira / Raquel Gonçalves PUBLICIDADE: Mara Rúbia de Oliveira Silva / Silvana Ribas REVISÃO E DIGITAÇÃO: Jussara Andrade COORDENADOR DE ESPORTES: Amauri Machado (DRT 08266) BANCO DE DADOS: P. de Souza SECRETÁRIA: Norma Aparecida Vitoreti Ramalho CIRCULAÇÃO: Valdiney Rodrigo Vieira Rodrigues IMPRESSORES GRÁFICOS: Wilson Ricardo de Souza / Willian Ribeiro CONSELHO EDITORIAL: Dr. José Álvaro Castanheira / Luiz Fernando de Andrade / Clésio Peixoto / Juliana Monteiro