Comunidade


Geraldo Celestino celebra a longevidade em aniversário de 104 anos



Um dos primeiros assinantes do jornal CORREIO, Ge­ral­do Celestino completou no sábado, dia 3, 104 anos de vida. Residente no bairro Carijós (região sudoeste), ele recebeu familiares e amigos para uma festinha surpresa em sua residência. A comemoração foi preparada por sua filha, Cleusa Celestino. Lúcido, Geraldo conversou com todos e distribuiu carinhosos apertos de mãos aos presentes. Ele também recebeu muitas manifestações de carinho. Nascido em 1914, Celestino dedicou grande parte de sua vida na extinta Rede Ferro­viária Federal, atual MRS, onde aposentou-se. Geraldo Celestino nasceu em 3 de fevereiro de 1914, na cidade vizinha de Piranga. Em 1929, entrou para o Exército, em Ouro Preto. Em 1939, começou a trabalhar na antiga Central do Brasil como mecânico de máquina, onde ficou até 1974, já na Rede Ferroviária Federal, quando se aposentou com 35 anos de serviços prestados. Leitor voraz de jornais e livros, Celestino lamenta, até hoje, a decadência do sistema ferroviário. Segundo ele, o transporte ferroviário é a solução de todos os males de uma nação. "Sem ele, os veículos aumentam, assim como os acidentes e a poluição", afirma. Na opinião do senhor Geraldo, se os trens de passageiros estivessem circulando até hoje, o Brasil seria outro, de norte a sul e de leste a oeste. Com muita história para contar, Celestino lembra que viajou muito no saudoso Vera Cruz, que ligava, no passado, BH ao Rio, além do famoso trem baiano, que ligava Bahia a São Paulo, cortando Minas de fora a fora.



Escrito por Redação, no dia 09/02/2018