Região

Corpo clínico denúncia salários atrasados no Hospital Bom Jesus, em Congonhas

No dia 14 de dezembro, o corpo clínico do Hospital Bom Jesus, localizado em Congonhas, tornou público um desabafo. Os profissionais informaram que a unidade hospitalar, de caráter filantrópico/particular possui um contrato de prestação de serviços com a prefeitura local e que, há quatro anos, encontra-se sob intervenção municipal. Na carta, o corpo clínico esclarece que a administração do hospital, por muito tempo, foi da Associação Hospital Bom Jesus e que, há cerca de sete anos, houve a eleição de novos membros da associação. Com isso, foi retirada a comissão composta por médicos antigos e de grande influência na população da cidade. Segundo os profissionais, a nova direção teria contrariado os interesses políticos da época, quando o atual prefeito, José de Freitas Cordeiro, era o secretário de Saúde.
Leia mais na edição impressa, que estará nas bancas a partir deste sábado, dia 23 de dezembro

Prefeito de Congonhas rebate acusações sobre intervenção no HBJ

Em relação à matéria publicada nesta edição, na página 33, o prefeito de Congonhas, José de Freitas Cordeiro, responsável pela intervenção no Hospital Bom Jesus (HBJ) esclarece que a unidade encontra-se sob intervenção do município desde abril de 2014 (Decreto Nº 5.960 e suas prorrogações, sendo a última o Decreto Nº 6.588 de 1/11/2017). A intervenção administrativa foi uma medida tomada pelo prefeito, uma vez que o HBJ passava por dificuldades financeiras, trazendo prejuízo à assistência ao usuário do SUS. Em 2011, a instituição hospitalar possuía uma administração composta por médicos de grande influência na população da cidade. Após serem derrotados na eleição interna de 2011, deixaram de ser os administradores do hospital. Alguns deles, a partir de então, se afastaram inclusive do atendimento hospitalar. O município salienta que não houve interferência da administração municipal no pleito eleitoral do Hospital. O grupo eleito administrou aquela instituição hospitalar entre 2011 e abril de 2014. À época, o município de Congonhas apresentava repasses financeiros para a entidade, por meio de subvenções, autorizados pela Câmara Municipal. A respeito da alegação de que foi a crise financeira que provocou atrasos de salários dos médicos, primeiramente, é importante esclarecer que os médicos não são funcionários do Hospital Bom Jesus. Não recebem salários, mas pro labore. Essa é uma discussão que se pode iniciar com a população e corpo clínico. Certamente que se funcionários fossem, o atendimento ao cidadão seria melhor e mais efetivo, caso os médicos concordassem. A falta de assistência médica do hospital, em abril de 2014, justificou a intervenção feita pelo município no HBJ para restabelecer a efetiva assistência médico-hospitalar, especialmente o plantão médico, e melhorar a aplicação dos recursos públicos nas áreas de atendimento do SUS. Reformas administrativas foram realizadas com a finalidade de priorizar o atendimento do usuário do SUS. Foi elaborado um plano de ação pela Comissão Interventora do Hospital, até à contratação de empresa especializada na gestão hospitalar, que readequou o quadro de funcionários de acordo com a necessidade e exigências dos conselhos profissionais de cada área de trabalho. Segundo o posicionamento da prefeitura, não se tem dúvida, hoje, que a intervenção realizada pelo município ofereceu um atendimento mais seguro e eficaz à população. "É de relevante importância esclarecer ao cidadão de Congonhas e região que o município está em dia com os repasses financeiros que lhe compete fazer ao HBJ. Diferentemente dos governos Federal e Estadual, que devem recursos ao HBJ. Desse modo, as notícias veiculadas em algumas mídias sociais recentemente são inverdades que serão objeto de apuração e medidas judiciais contra os responsáveis pela publicação.

O Jornal CORREIO enviou ofício às assessorias da empresa Laborare e do deputado Marcus Pestana, mas até o fechamento desta matéria, não havia obtido resposta.


Notícia enviada por Redao, no dia 22/12/2017




Comente esta Notícia

Galerias

Noite de homenagens em Lafaiete promovida pela agência de pesquisa RJSUL Comunicação (antiga CNPP)

Enquetes

Qual notícia chamou mais sua atenção?


Enquetes 2


No momento, não temos nenhuma enquete ativa.


Colunistas




EXPEDIENTE

DIRETOR-PRESIDENTE E EDITOR: Luiz Fernando de Andrade GERÊNCIA GERAL: Clésio Samuel Luiz Peixoto SUB-GERENTE: Edmilson Moreira Dutra REDATORA: Juliana Monteiro REDATOR-ADJUNTO: Hugo Pacheco Jr. REPORTAGEM: Frances Santana / Rafaela Melo PAGINAÇÃO GRÁFICA: Daniel Vieira / Raquel Gonçalves PUBLICIDADE: Mara Rúbia de Oliveira Silva / Silvana Ribas REVISÃO E DIGITAÇÃO: Jussara Andrade COORDENADOR DE ESPORTES: Amauri Machado (DRT 08266) BANCO DE DADOS: P. de Souza SECRETÁRIA: Norma Aparecida Vitoreti Ramalho CIRCULAÇÃO: Valdiney Rodrigo Vieira Rodrigues IMPRESSORES GRÁFICOS: Wilson Ricardo de Souza / Willian Ribeiro CONSELHO EDITORIAL: Dr. José Álvaro Castanheira / Luiz Fernando de Andrade / Clésio Peixoto / Juliana Monteiro