Polícia

Suspeitos de exercício ilegal da medicina são presos no Manoel de Paula

Três pessoas foram presas pela Polícia Civil, na terça-feira, dia 13, suspeitos de exercício ilegal da medicina. Um dono de ótica, D.P.D.L, de 27 anos, seu assessor, E.S.M, de 33 anos, e um optometrista F.A.S.B, de 29 anos, todos de Belo Horizonte, foram conduzidos até a delegacia de polícia após serem surpreendidos por policiais civis no bairro Manoel de Paula (região nordeste).

As diligências tiveram início a partir de denúncias anônimas, com informações de que eram realizadas consultas e exames de visão por um profissional não habilitado, em um cômodo, ao lado da quadra do bairro Manoel de Paula (região nordeste).

Os policiais tiveram acesso aos cartazes confirmando os supostos atendimentos e, no local, identificaram as pessoas saindo da "consulta". Elas afirmavam ter sido atendidas por um médico, sendo orientadas que, caso optassem por já fazer a compra de óculos, não seria cobrada a consulta. Caso contrário, não poderiam levar a "receita" e teriam que pagar pelo atendimento. No mesmo local em que eram realizados os exames, também estava um dono de ótica, da cidade de Belo Horizonte. Ele já passava o orçamento dos óculos e recebia um valor como sinal de entrada, se comprometendo a entregar o produto em 15 dias. Pelo que foi apurado, os valores dos óculos variavam entre R$ 250 a R$ 1,2 mil.

Com a abordagem dos suspeitos, foi constatado que não havia nenhum médico oftalmologista realizando atendimento e sim um técnico optometrista. Ainda assim, eram realizados exames de visão com aparelhagem computadorizada, diagnóstico de algumas doenças visuais e determinação do grau que a pessoa deveria fazer os óculos. O local não possuía sequer alvará de funcionamento, nem sanitário e funcionava no intuito de fazer com que as pessoas atendidas adquirissem os óculos vendidos no local. As receitas apreendidas pelos policiais demonstram que os envolvidos teriam recebido cerca de R$ 4 mil das pessoas atendidas.

O delegado responsável pelo caso, Daniel Gomes de Oliveira, afirmou que os três envolvidos criaram todo um cenário para que as pessoas do bairro acreditassem que estavam sendo atendidas por um médico especializado. "Os envolvidos se dirigiam ao técnico como doutor, sendo que o mesmo trajava jaleco branco e emitia receitas para os pacientes. Tudo isso em um ambiente sem autorização de funcionamento e com o dono da ótica em uma mesa ao lado já realizando as vendas. A saúde da população do bairro Manoel de Paula foi utilizada apenas como pretexto para que os suspeitos ganhassem dinheiro, explorando a boa-fé dos moradores.", ressaltou o delegado.

Os três envolvidos foram conduzidos à delegacia, onde foram ouvidos e assinaram termo de comparecimento à Justiça. O delegado afirma que, além do exercício ilegal da medicina, outros crimes, como o de estelionato, poderão ser atribuídos aos suspeitos no curso do inquérito.


Notícia enviada por Rafaela Melo, no dia 14/06/2017




Comente esta Notícia

Galerias

Turma dos “Ô Quêêê” celebra 20 anos de existência às margens do velho e piscoso rio Guaporé

Enquetes

Qual notícia chamou mais sua atenção?


Enquetes 2


No momento, não temos nenhuma enquete ativa.


Colunistas




EXPEDIENTE

DIRETOR-PRESIDENTE E EDITOR: Luiz Fernando de Andrade GERÊNCIA GERAL: Clésio Samuel Luiz Peixoto SUB-GERENTE: Edmilson Moreira Dutra REDATORA: Juliana Monteiro REDATOR-ADJUNTO: Hugo Pacheco Jr. REPORTAGEM: Frances Santana / Rafaela Melo PAGINAÇÃO GRÁFICA: Daniel Vieira / Raquel Gonçalves PUBLICIDADE: Mara Rúbia de Oliveira Silva / Silvana Ribas REVISÃO E DIGITAÇÃO: Jussara Andrade COORDENADOR DE ESPORTES: Amauri Machado (DRT 08266) BANCO DE DADOS: P. de Souza SECRETÁRIA: Norma Aparecida Vitoreti Ramalho CIRCULAÇÃO: Valdiney Rodrigo Vieira Rodrigues IMPRESSORES GRÁFICOS: Wilson Ricardo de Souza / Willian Ribeiro CONSELHO EDITORIAL: Dr. José Álvaro Castanheira / Luiz Fernando de Andrade / Clésio Peixoto / Juliana Monteiro