Cultura


Arte de Eli Cury fascina e se espalha pelos quatro cantos do mundo



O coração de Eli Rodrigues Pereira, conhecido pelo codinome "Eli Cury", não pulsa apenas sangue. Pelas veias e artérias do pintor, desenhista e poeta corre a maior essência da arte, a sensibilidade. E é com um olhar diferenciado que se enxerga a beleza, escondida nas pequenas coisas, que ele produz suas obras. Quem as contempla, logo pensa: como é possível extrair de coisa tão simples algo tão belo? A resposta é que a arte produzida por ele é feita para inquietar e para emocionar.
Nascido na cidade de Queluzito, Eli mudou-se, ainda criança, para Belo Horizonte. Formou-se em Engenharia Elétrica, pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e exerceu a profissão durante 20 anos, até que em 1990 decidiu largar tudo. A arte que corria em seu corpo precisava se manifestar e o artista veio morar em Conselheiro Lafaiete, onde passou a se dedicar integralmente às artes plástica e gráfica. Mais tarde, ele também se descobriria poeta e começou a fazer arte também com as palavras, participando como poeta e ilustrador do Jornal LESMA ? Liga Ecológica Santa Matilde, desde a sua fundação, em 1998.

Leia a matéria completa na edição impressa, que estará nas bancas a partir deste sábado, dia 20 de maio


Escrito por Rafaela Melo, no dia 19/05/2017