Boa noite - Em Conselheiro Lafaiete - MG, hoje é Quinta-Feira, 20 de Novembro de 2014 - Agora são: 18:25:25 Você esta aqui : Home - Pesca - Início da piracema aumenta restrições da pesca nos rios de Minas Gerais
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Pesquisar

Jornal Correio da Cidade

Início da piracema aumenta restrições da pesca nos rios de Minas Gerais

E-mail Imprimir PDF

O Instituto Estadual de Florestas (IEF) publicou, nessa quinta-feira (28), as portarias 222, 223 e 224 que regulamentam a pesca nas Bacias Hidrográficas do Leste do Estado e dos rios Grande, Paranaíba e São Francisco. A regulamentação diz respeito às normas para pesca no período da Piracema, época em que os peixes sobem para as cabeceiras dos rios para se reproduzirem.

As normas fixam o dia 1º de novembro de 2010 como início das restrições de pesca e o dia 28 de fevereiro como final. Com as portarias, a pesca de espécies nativas está proibida em todo o Estado, a de espécies exóticas (com origem em outros países) e alóctones (com origem em outros estados) está restrita a três quilos diários ou por jornada de pesca, por pescador. A pesca amadora e de subsistência, embarcada e desembarcada, são permitidas desde que observadas as restrições constantes nas portarias e demais legislações em vigor.

O gerente de Pesca e Proteção à Fauna Aquática do IEF, Marcelo Coutinho Amarante, observa que as portarias das Bacias do São Francisco e Leste determinam que fica proibida, durante o período da Piracema, a prática de atos de pesca para todas as categorias no perímetro compreendido entre mil metros acima e mil abaixo das barragens, usinas hidrelétricas, cachoeiras e corredeiras. Já na Bacia Hidrográfica dos rios Grande e Paranaíba, a portaria 223 estabelece o perímetro compreendido entre 1,5 mil metros acima e a abaixo.

 A pesca profissional e a utilização de embarcações, petrechos, equipamentos e instrumentos de pesca estão definidos nas portarias de acordo com a Bacia. “Alguns locais têm algumas especificações, exemplo disso é que no trecho do rio das Velhas e seus afluentes, desde suas nascentes até a desembocadura do rio São Francisco, assim como locais onde o curso d’água possua largura igual ou inferior a 20 metros, a pesca profissional é proibida”, ressalta Amarante.

 O gerente do IEF explica que as restrições na pesca durante o período da piracema têm como objetivo garantir que os peixes nativos da região possam procriar em seu período de reprodução. “O período piracema é fundamental para a reposição das espécies que vivem nos rios, barragens e represas do Estado”, afirma.

 Piracema

A palavra piracema é de origem tupi e significa "subida do peixe". Refere-se ao período em que os peixes buscam os locais mais adequados para desova e alimentação. O fenômeno acontece todos os anos, coincidindo com o início do período das chuvas, entre os meses de novembro e fevereiro.

A pesca é uma atividade de subsistência e os pescadores amadores devem portar a carteira de pesca, que pode ser obtida nas unidades de atendimento do IEF em todo o Estado ou pelo site do Instituto. A carteira deve ser renovada anualmente.

 As pessoas físicas e jurídicas que comercializam, exploram, industrializam, armazenam e fabricam produtos e petrechos de pesca devem se registrar junto ao IEF. Os estoques de peixe in natura, congelados ou não, provenientes de águas continentais, existentes nos frigoríficos, peixarias, colônias e associações de pescadores devem ser informados ao IEF. A exigência também incide sobre os estoques armazenados por pescadores profissionais, entrepostos, postos de venda, depósitos e câmaras frias em posse de feirantes, ambulantes, bares, restaurantes, hotéis e similares.

 As portarias 222, 223 e 224, os formulários de declaração de estoque, as orientações para o registro de atividade e emissão da Carteira de Pesca Amadora estão disponíveis na seção pesca da página do IEF na internet - www.ief.mg.gov.br/pesca.

 


rssfeed
Email Drucken Favoriten FacebookWebSzenario
Última atualização ( Qua, 03 de Novembro de 2010 10:37 )  

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Banner
Banner
Banner


Edição Atual

Banner

Publicidade

Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner

Previsão do Tempo

Usuários On line

Nós temos 158 visitantes online

Contador de Acesso

Visualizações de Conteúdo : 6990844

Expediente

Expediente DIRETOR-PRESIDENTE E EDITOR: Luiz Fernando de Andrade GERÊNCIA GERAL: Clésio Samuel Luiz Peixoto SUB-GERENTE: Edmilson Moreira Dutra REDATORES: Juliana Monteiro / Camila Viana PAGINAÇÃO GRÁFICA: Cláudia Mara / Daniel Vieira / Raquel Gonçalves Martins REPORTAGEM: Frances Santana / Caroline França / Rafaela Melo PUBLICIDADE: Letícia Molinares / Silvana Ribas REVISÃO E DIGITAÇÃO: Jussara Andrade COORDENADOR DE ESPORTES: Amauri Machado (DRT 08266) BANCO DE DADOS: P. de Souza SECRETÁRIA: Norma Aparecida Vitoreti Ramalho CIRCULAÇÃO: Gilberto Carlos da Silva / Claudinei Rodrigo da Silva IMPRESSORES GRÁFICOS: Wilson Ricardo de Souza / Willian Ribeiro CONSELHO EDITORIAL: Dr. José Álvaro Castanheira / Luiz Fernando de Andrade / Clésio Peixoto / Juliana Monteiro / Camila Viana

Qual a sua denúncia?

Banner

História do Jornal CORREIO

Untitled Document

História do Jornal CORREIO

Em 23 anos, o periódico conquistou credibilidade e a confiança de leitores, venceu dificuldades e comemora marca histórica.

Juliana Monteiro Jornalista

Modéstia a parte, não é qualquer veículo de comunicação que pode se orgulhar da histórica marca de 1000 edições. Em 23 anos de circulação, o Jornal Correio da Cidade conquistou credibilidade e a confiança do leitor. É o mais antigo periódico em circulação ininterrupta no Alto Paraopeba, líder em assinaturas e vendas avulsas, o que se reflete na maior tiragem mínima da região, hoje fixada em 5 mil exemplares. Mas por trás de uma história de sucesso, há vários capítulos de luta e de superação.

Leia mais.