Educação

A educação no contexto da crise institucional

Há quem acredite que a educação seja suficiente para resolver os problemas institucionais de um povo. Prefiro repetir o pensamento de Paulo Freire, para quem ?a educação não pode tudo, mas alguma coisa ela pode?. Honestamente, hoje fico a pensar o alcance desse poder, mas é preferível confiar um pouco. A educação ainda tem função social respeitável e suas reformas ou revoluções precisam passar por amplos debates, principalmente entre os professores. Mas como na realidade brasileira grande parte deles está totalmente desinteressada em estudar e debater a própria profissão, então, isso vai sendo feito por políticos e técnicos que não entendem nada de sala de aula e da relação professor-aluno, por vezes, tensa. Seguem reflexões, à luz da política, sobre nossa crise institucional.

?Desde o início do processo de impeachment de Dilma Rousseff, pergunto-me como sairemos da crise. Não me refiro especificamente à crise fiscal, mas à institucional, que afeta nossa democracia adolescente. A chamada lista de Fachin não facilitou as coisas. Ao contrário, ao trazer à tona o fato, suspeitado por muitos, mas nunca confirmado por relatos tão contundentes, de que os mecanismos de financiamento de campanha passavam à margem da lei, a lista trouxe um risco institucional maior. Em tempos de pós-verdades, o temor é que se acredite que ditaduras sejam mais saudáveis que democracias, por evitar corrupção ou demagogia.

O historiador John Lukacs, em seu livro "O Duelo", relata como a juventude britânica do período que antecedeu a Segunda Guerra flertava com o nazi-fascismo por acreditar que a democracia, em sua difícil arte de forjar consensos e nos mecanismos nem sempre claros de acesso ao poder, não era viril o suficiente. Idealizavam, segundo o autor, as figuras de Hitler e Mussolini, percebidos como líderes firmes, valentes e com propostas jovens e patriotas.

Certamente, outros percebem o risco e vi três propostas de saídas nas páginas dos jornais. A primeira é a que surgiu na "Brazil Conference", organizada por alunos do MIT e de Harvard: colocar os dois lados deste Brasil partido ao meio para conversar e negociar saídas. Levaram parte dos personagens que tentam construir saídas para o país e, após uma palestra mobilizadora do especialista em negociação, Dan Shapiro, organizaram mesas com representantes dos dois lados. Algumas ideias saíram de lá que precisam certamente ser trabalhadas.

Outra proposta foi a de convocar uma constituinte exclusiva, para assegurar uma reforma política que permita uma democracia mais sólida e o enfrentamento de problemas que não estavam claros em 1988. A terceira é um manifesto de intelectuais, do campo da esquerda, por um projeto de desenvolvimento econômico, político, social e ambiental. Nele são propostas reformas que nos habilitem a retomar o crescimento e sair da paralisia que a divisão tende a gerar. Aparentemente, há pontos de convergência entre as três propostas: todas demandam negociação, abordam a crise fiscal e institucional e tentam tirar o Brasil da agenda do ódio e dos consequentes eventuais "salvadores da pátria".

A educação precisa de uma saída que não seja apenas de responsabilização ou, pior, de vingança, e deu mostras de que pode ajudar no processo. No envio da Base Nacional Comum curricular ao Conselho Nacional de Educação, ministros do governo anterior e do atual estiveram juntos, e profissionais associados aos dois campos compareceram. Isso não resolve os problemas, mas mostra que é possível superar a polarização.?



José Antônio dos Santos

Mestre pela UFSJ

Contato: joseantonio281@hotmail.com

Diálogo com Cláudia Costin, cujo texto está disponível em http://www1.folha.uol.com.br/colunas/claudia-costin/2017/04/1877354-a-educacao-e-as-saidas-para-a-crise-institucional.shtml


Coluna enviada no dia 22/09/2017




Comente esta coluna

Galerias

Turma dos “Ô Quêêê” celebra 20 anos de existência às margens do velho e piscoso rio Guaporé

Enquetes

Qual notícia chamou mais sua atenção?


Enquetes 2


No momento, não temos nenhuma enquete ativa.


Colunistas




EXPEDIENTE

DIRETOR-PRESIDENTE E EDITOR: Luiz Fernando de Andrade GERÊNCIA GERAL: Clésio Samuel Luiz Peixoto SUB-GERENTE: Edmilson Moreira Dutra REDATORA: Juliana Monteiro REDATOR-ADJUNTO: Hugo Pacheco Jr. REPORTAGEM: Frances Santana / Rafaela Melo PAGINAÇÃO GRÁFICA: Daniel Vieira / Raquel Gonçalves PUBLICIDADE: Mara Rúbia de Oliveira Silva / Silvana Ribas REVISÃO E DIGITAÇÃO: Jussara Andrade COORDENADOR DE ESPORTES: Amauri Machado (DRT 08266) BANCO DE DADOS: P. de Souza SECRETÁRIA: Norma Aparecida Vitoreti Ramalho CIRCULAÇÃO: Valdiney Rodrigo Vieira Rodrigues IMPRESSORES GRÁFICOS: Wilson Ricardo de Souza / Willian Ribeiro CONSELHO EDITORIAL: Dr. José Álvaro Castanheira / Luiz Fernando de Andrade / Clésio Peixoto / Juliana Monteiro