Educação


Temos baixo desenvolvimento humano?



Honestamente, acho um erro usar a expresso ?desenvolvimento humano? para falar apenas sobre condies econmicas das comunidades. Quando vi essa pergunta no site da Folha Uol, a primeira coisa em que pensei foi sobre o atraso do pensamento humano, em pleno sculo XXI.  Desenvolvimento humano expresso que me remete mais questo de mentalidade e avano do pensamento do que propriamente atraso econmico. Mas, enfim, a matria abaixo, da Cludia Costin, com anlise muito lcida, por sinal, traz dados econmicos, a partir do IDH.

?H poucos dias, o Programa das Naes Unidas para o Desenvolvimento lanou seu Relatrio de Desenvolvimento Humano, em que os pases so avaliados com base em um indicador composto, o ndice de Desenvolvimento Humano (IDH, que procura mensurar at que ponto o desenvolvimento chega s pessoas). Em outros termos, com base em dados de sade, educao e renda, um ndice de zero a um atribudo a cada trs anos e uma linha de evoluo evidencia o progresso do mundo e de cada pas no perodo. O ndice foi criado por Mahbubul Haq, em parceria com Amartya Sen, economista indiano laureado com o Prmio Nobel de Economia, e combina em sua composio a escolaridade mdia da populao, a expectativa de vida e o PIB per capita.

O relatrio de 2015 apresenta-nos numa posio desconfortvel: estamos estagnados no IDH, num patamar inaceitavelmente baixo para o nosso grau de desenvolvimento econmico. Aparecemos pior ainda quando se soma, aos trs componentes do ndice, uma de nossas maiores fragilidades: a desigualdade. Somos um pas muito mais desigual do que pases com PIB menor que o nosso. O que chama ateno que, nos ltimos anos, melhoramos em alguns indicadores sociais relevantes, como ampliao do acesso educao e reduo da mortalidade materna e da mortalidade infantil. Interessantemente, esta ltima realizao associada ao aumento da escolaridade feminina, embora tambm se beneficie do aumento de domiclios com saneamento bsico. A desigualdade tambm diminuiu, fruto de polticas pblicas como o Bolsa Famlia e o aumento do salrio mnimo.

No entanto, parte destes avanos j havia sido capturada pelo relatrio anterior e alguns problemas so de lenta resoluo. Alm disso, a recesso no nos ajuda a manter uma trajetria positiva; observe-se que os dados divulgados pelo PNUD so de 2015, o que indica que h chances importantes de piora no prximo relatrio se no fizermos nada a respeito. Infelizmente, o dado que ainda nos prejudica muito o de anos mdios de escolaridade da populao. Se considerarmos a populao de 18 a 29 anos, temos apenas 8,3 anos de estudo. Isso significa que, em mdia, no conclumos o ensino fundamental. H razes histricas para tanto, mas isso contribui para mais desigualdade e pobreza.

Guillermo Perry, num estudo do Banco Mundial, mostra que a transmisso intergeracional de pobreza s se interrompe se as mulheres conclurem o ensino mdio. Eu adicionaria: a construo de um processo de desenvolvimento humano mais slido se inicia com a concluso de um ensino bsico de qualidade, o que ainda estamos longe de fazer!?

Honestamente, no temos que comemorar o maior acesso de crianas a uma escola que faz os alunos ficarem mais preconceituosos e intolerantes do que eram antes de comearem a frequent-la. Isso no leva ao desenvolvimento humano do pensamento. Gostaria de ver o ndice de tolerncia social ser medido como um indicador de desenvolvimento humano. A sim, se esse indicador ficasse positivo, seria mais fcil acreditar em evoluo do pensamento e da mentalidade humana. Nunca se falou tanto em tolerncia e nunca ouvimos tantas notcias sobre intolerncia social. Simplesmente, uma contradio que nega o princpio de desenvolvimento humano. Tolerncia deveria ser medido como indicador de desenvolvimento humano. O resto conversa fiada.


Jos Antnio dos Santos

Mestre pela UFSJ

Contato: joseantonio281@hotmail.com

Disponvel em: <http://www1.folha.uol.com.br/colunas/claudia-costin/2017/03/1869224-temos-baixo-desenvolvimento-humano.shtml>.



Você está lendo o maior jornal do Alto Paraopeba e um dos maiores do interior de Minas!
Leia e Assine: (31)3763-5987 | (31)98272-3383


Escrito por Educação, no dia 13/04/2017


Comente esta Coluna