Pesca


A caça aos lambaris gigantes



Com o fim do perodo da piracema bate aquela vontade de voltar a pescar. Afinal foram longos quatro meses sem visitar as barrancas dos rios, logicamente para aqueles que ainda respeitam o perodo da desova dos peixes. Pescaria combinada, desta vez, fomos eu, Jos do Carmo, Hlio e o Nilson (irmo do Jos do Carmo). Resolvemos tentar encontrar os famosos lambaris gigantes, e nada melhor que a regio de Dores do Indai. Seguimos pela BR-040, sentido Pompu, Martinho Campos e Abaet, justamente para conferir as condies daquele que j foi o sonho da grande maioria dos pescadores de lambaris, o famoso Crrego dos Veados, prximo cidade de Dores.

L chegando, encontramos um rio agonizando, como tem sido nos dois ltimos anos. Apesar de ainda estarmos no perodo das chuvas, o rio no consegue acumular gua. Mesmo com a marca nas margens indicando que por l teve boas enchentes, o rio seca antes mesmo da gua limpar. Ainda assim, talvez influenciados pelas lembranas de grandes pescarias ali realizadas, resolvemos parar para ver como estava.

Pescamos l por um perodo de pouco mais de duas horas. Apesar do baixo volume e com a gua ainda bem turva, fisgamos alguns lambaris, mas no os gigantes que estvamos procurando. Algum fenmeno afetou sobremaneira as condies do local. certo que o ciclo chuvoso no tem ajudado muito, mas segundo alguns comentrios foram plantadas grandes lavouras s margens do rio, e estas lavouras tem sugado praticamente toda a gua, fenmeno que tem acontecido tambm em outros locais. Aconselho a quem tem inteno de pescar no referido local que no v, as chances de perder a viagem so muito grandes.

Resolvemos, ento, seguir em frente e procurar outro rio. Felizmente o que no falta na regio so bons locais para a pesca. Seguimos para o rio Jorjo, e l chegando o encontramos o com bom volume de gua, mas ainda bem turvo. Aps a famosa jogada de um pouco de raspa de cima da ponte, foi grande o movimentao dos peixes. Resolvemos tentar para ver o resultado. Aps aquele almoo improvisado sob um deliciosa sombra, fomos luta. Para nossa decepo, tinha realmente bastante peixes, mas a maioria eram os famigerados lambaris faco, peixe bom de fisgar, mas que no apreciado pelos pescadores na frigideira, por se tratar de uma espcie com pouca carne e muita espinha, alm de uma escama muito grossa e ruim de se retirar.

Com umas duas horas de pesca, mudamos mais uma de local. Logo a frente passamos sobre o rio Jorginho, aquele que tem a gua limpa, mas com uma colorao estranha. Seguimos em frente, em direo ao Estiva, onde chegamos por volta das 16h. As condies estavam boas, e somente no fim de tarde deu para fisgar meio balaio de lambaris, a sim, alguns dos gigantes que estvamos procurando.

Seguimos em direo ao local onde iramos dormir, logo aps o pedgio. Banho tomado, alguma coisa para forrar o estmago e cama, j que visivelmente todos estavam bem cansados. No dia seguinte, sexta-feira, s 6h, j estvamos na beira do rio. A sim, foi um festival de peixes. Alm dos lambaris, nosso objetivo principal, mandis, piaus e at uma curimba, fisgada pelo Jos do Carmo. Pescamos at as 11h e nos divertimos bastante. Encontramos duas turmas de Lafaiete na regio, e ao final nos lembramos de uma famosa frase do nosso amigo Silvestre: ? muito bom fisgar um lambari num dia de semana?. Apesar do cansao fsico, bate uma vontade de voltar logo. Valeu....

Ronaldo de Oliveira

Pescador e proprietrio da loja Rei do Rio



Você está lendo o maior jornal do Alto Paraopeba e um dos maiores do interior de Minas!
Leia e Assine: (31)3763-5987 | (31)98272-3383


Escrito por Pesca, no dia 31/03/2017


Comente esta Coluna