Educação


Não sabem regra de três



O debate sobre a falta de base de muitos alunos do ensino mdio em matemtica na rede pblica continua sendo um srio e requer interveno pedaggica urgente. Em duas edies anteriores, publiquei dados de uma pesquisa oficial que mostram o fracasso em queda livre dos alunos por quatro anos consecutivos. Agora, a notcia estarrecedora: muitos no sabem regra de trs. Que tipo de cidadania ter um jovem do sculo XXI incapaz de fazer uma operao matemtica to simples como a regra de trs e que precisam de calculadora para saber quanto equivale dez ou vinte por cento de um determinado valor, ou dessas mesmas porcentagens em dados estatsticos? Seria preciso ser matemtico para ter esse domnio de conhecimento?

Essa incompetncia se torna mais grave, considerando que os dados abaixo so de escolas pblicas do estado brasileiro onde pulsa o corao industrial e econmico do Brasil. ?Apesar de o Idesp, indicador oficial da rede paulista, ter subido no ensino mdio em 2016, quase metade dos alunos terminam essa etapa sem aprender nem o bsico em matemtica. So estudantes que saem da escola sem conseguir resolver, por exemplo, problemas que envolvam proporcionalidade e regra de trs. A proporo de alunos nesta situao de dificuldades extrema aumentou. Passou de 44% dos alunos, em 2015, para 48% em 2016. Somente 0,3% dos alunos do 3 ano do mdio apresentaram na avaliao do ano passado uma proficincia considerada "avanada". o mesmo patamar do ano anterior.

A prpria Secretaria de Educao faz a diviso entre quatro nveis. Abaixo do bsico, bsico, adequado e avanado. A pasta considera que, a partir do "bsico", os alunos j aprenderam o que chamado de "suficiente". Os nveis so divididos a partir das notas da escala de proficincias da avaliao oficial, o Saresp, que aumenta progressivamente desde os iniciais do ensino fundamental at o mdio. Na comparao com portugus, a proporo de alunos no nvel "abaixo do bsico" sempre maior em matemtica. Nos anos iniciais (5 ano do fundamental), so 16% nessas condies. Quantidade menor que em 2015 (quando eram 19% nesse nvel). Nos anos finais (9 ano), 28% dos estudantes no aprenderam o bsico. Os dados nessa etapa tambm mostram piora na comparao com o ano anterior, quando 24% estavam nesse nvel.

Para a pesquisadora Katia Smole, consultora em ensino de matemtica, os alunos no tm dificuldade de aprender matemtica. Os problemas esto na estrutura de aulas. "Para trabalhar boas aulas, necessrio saber o que ensinar e como que o aluno aprende. H problemas nessas duas partes", diz ela. Ela ressalta que os professores no podem ser responsabilizados sozinhos. "Com os dados, estamos avaliando todo o sistema, e o sistema tem grande responsabilidade."

Infelizmente, a pesquisadora no esclarece, nesse argumento, a qual das partes ela atribui a culpa ou falha da ?estrutura de aulas?. Aos professores? Ao sistema? Aos dois? Como e por qu? Em que propores? Percebe como existem vrias questes a serem discutidas? Por fim, ela no esclarece qual o problema que ela identifica na estrutura das aulas.

A isso, segue a situao da disciplina de Portugus. ?Os resultados de portugus do ensino mdio tiveram avano, apesar de indicadores ainda fracos. So 31% dos alunos abaixo do bsico nessa disciplina. Percentual alto, mas menor do que em 2015, quando havia 34%. H 0,8% no avanado -contra 0,4% em 2015.? Honestamente, qual microempresa, empresa ou megaempresa ficaria de p no mercado com apenas esse ?faturamento? anual? O prejuzo social da escola por causa dos desperdcios de tempo, energia eltrica, energia e capital humano, brutal! E voc acha isso natural? Desculpe, mas estamos diante de um problema de dimenses muito graves.



Jos Antnio dos Santos

Mestre pela UFSJ

Contato: joseantonio281@hotmail.com

Dados disponveis em http://www.nossasaopaulo.org.br/noticias/metade-conclui-ensino-medio-na-rede-publica-de-sp-sem-saber-regra-de-tres . Acesso 12/Fev/2017.

 



Você está lendo o maior jornal do Alto Paraopeba e um dos maiores do interior de Minas!
Leia e Assine: (31)3763-5987 | (31)98272-3383


Escrito por Educação, no dia 24/02/2017


Comente esta Coluna