Denúncia


Centro: desempregado reclama de atendimento no Sine



O tratamento direcionado para os trabalhadores que procuram o Sine Lafaiete voltou a ser questionado. Em contato com o Jornal CORREIO, um homem relatou ter ido ao Sine na quarta-feira, dia 18, em busca de uma vaga, mas teria sado de l sem a necessria carta de recomendao: ?Fui tentar uma vaga de ajudante de limpeza. Estava na fila aguardando para pegar a carta de indicao. Um homem que estava na minha frente pegou. Quando chegou a minha vez, a funcionria perguntou se eu tinha a 8 srie. Quando eu disse que no tinha, ela no me deu carta. Mas o homem que pegou a carta antes de mim tambm no tinha; eu perguntei a ele. Quero saber por que isso acontece. Eles perguntam algumas coisas para uns e, para outros, no. Como no consegui a carta, fiquei muito nervoso. Sou trabalhador, estou desempregado e preciso trabalhar?, desabafa.

Sine responde

Em ateno ao ofcio enviado pelo Jornal CORREIO, o gerente do Sine de Conselheiro Lafaiete, Paulo Henrique Rodrigues de Lima, enviou o seguinte esclarecimento: ?Quando uma empresa procura o Sistema Nacional de Emprego (Sine) para abrir vagas, a unidade tem que atender solicitao de qualificao que o empregador pede, mas sempre tentamos flexibilizar junto ao empregador, o mximo possvel, as suas exigncias.

Todas as vagas so cadastradas dentro do sistema do Ministrio do Trabalho e Emprego (MTE) no programa IMO. Sendo assim, se a qualificao do candidato no coincidir com a solicitada pelo empregador, infelizmente, o sistema no flexibiliza a vaga para o candidato.

Quando o cadastro constantemente atualizado pelo candidato junto ao Sine, realmente o atendimento mais rpido e muitas perguntas so dispensadas, por j constarem nesse cadastro. Quando ao senhor que fez a reclamao do Sine sentir necessidade, pode nos procurar, que iremos explicar o funcionamento do Sistema para sanar qualquer dvida que possa surgir?.



Você está lendo o maior jornal do Alto Paraopeba e um dos maiores do interior de Minas!
Leia e Assine: (31)3763-5987 | (31)98272-3383


Escrito por Denúncia, no dia 10/02/2017


Comente esta Coluna