Educação


Que legado deixaremos para as futuras gerações?



A professora Claudia Costin fez um desabafo sobre o qual precisamos refletir. Analisar, sem criar rtulos, no costuma muito ser o nosso forte, mas sempre h algum disposto a pensar antes de fazer julgamentos precipitados. Ainda bem! Mas veja o que ela diz sobre redes sociais! ?Apaixonada por educao, uma das tarefas que me imponho escrever nas redes sociais todos os dias sobre o tema, pensando em matrias que possam interessar a professores, alunos de universidades e ativistas na rea. Fao uma curadoria do que saiu na imprensa e na prpria rede a respeito e posto no Twitter, copiado para o Facebook.

Comecei com isso como secretria de Educao do municpio do Rio, pensando em dialogar com os professores, mas logo percebi o imenso potencial que as redes proporcionam, especialmente em ensino e aprendizagem. Hoje, depois de atuar no Banco Mundial e aqui em Harvard, tenho professores de diferentes pases me seguindo no Twitter, o que me leva a escrever no apenas em portugus. Mas minha atuao nas redes sociais trouxe-me a triste percepo sobre o dio e a polarizao que a circulam. Hoje diferentes tribos tm voz, o que poderia ser um elemento interessante de enriquecimento de perspectivas e de busca de agendas comuns entre vises distintas, mas infelizmente, h poucas pontes entre elas.

As pessoas, ou seriam perfis, presentes nas redes, tendem a seguir apenas quem pensa exatamente da mesma maneira e, se por algum erro de avaliao, ou prazer em ofender, encontram algum percebido como da "tribo" inimiga, atacam sem piedade e no perdem tempo lendo o que o outro escreve.? So os "tempos do clera", parodiando Gabriel Garca Mrquez. Estamos bravos com o mundo e s enxergamos duas possibilidades: ou voc pensa em todos os tpicos igual a mim, ou utilizo alguma etiqueta para desqualificar sua eventual contribuio.

Mas, nesse triste contexto, educamos crianas, que cedo aprendem com seus pais e mestres a rotular para no ter que gastar tempo tentando entender, a rotular para odiar. Ora, que tipo de mundo isso ajuda a construir para as futuras geraes? Certamente um espao em que frutifica o pensamento atrofiado, os preconceitos e que no se abre para a coexistncia pacfica na diversidade.

Amos Oz, grande escritor israelense, quando perguntado sobre o dio, comparou-o com um fogo que quer tudo engolir. Mas tenho uma colher de ch e posso com ela jogar gua no fogo, afirma o autor para um interlocutor atnito que no o entende. Nisso ele esclarece: "Somos muitos a ter colheres de ch com gua e podemos juntos enfrentar o fogo."

O legado que podemos deixar para as prximas geraes a reduo da fora do dio e a construo de uma agenda comum que contemple um planeta sustentvel e pacfico, uma educao inclusiva e de qualidade para todos e oportunidades de desenvolvimento do potencial de cada um.?

Ela utiliza expresses bastante intensas, tais como: ?tribos inimigas? e ?pensamento atrofiado?, ?rotular para odiar? e ?coexistncia pacfica para a diversidade?, ?reduo da fora do dio? e ?construo de uma agenda comum? para a educao. sobre essas picuinhas entre tribos que acabam deixando para trs a construo de uma agenda de mudana na educao que ela critica. E esse legado de preconceitos e intolerncia diversidade que ela teme que deixaremos para as futuras geraes.

De fato, no fcil ?gastar tempo, tentando entender? pontos de vista divergentes dos nossos, principalmente porque tendemos queimar os que no pensam como ns. Sempre falei com meus filhos sobre a necessidade de sermos tolerantes aos que pensam de forma diferente da nossa. exerccio difcil, mas precisa ser tentado. Apegamos s ideias que nos do cho firme, mesmo atrasadas e com retrocessos em nossa vida. Volto a Guimares Rosa: ?O animal satisfeito dorme?. Eis o desastre do atraso do pensamento humano.

Fonte: Folha de So Paulo, 16 de

dezembro de 2016.


Jos Antnio dos Santos

Mestre pela UFSJ

Contato: joseantonio281@hotmail.com



Você está lendo o maior jornal do Alto Paraopeba e um dos maiores do interior de Minas!
Leia e Assine: (31)3763-5987 | (31)98272-3383


Escrito por Educação, no dia 26/01/2017




Comente esta Coluna