Educação


O pobre e a educação escolar pública



Hoje me vejo forado a apostar na hiptese de que a educao escolar no vai contribuir para a promoo do pobre. Por que a pobreza continua grande, mesmo aps a expanso das redes pblicas de ensino e a crescente facilidade de acesso dos pobres escolarizao? H duas explicaes que me parecem razoveis e, talvez, corretas:  a rede pblica de ensino est oferecendo formao pobre para o pobre. Essa a primeira. E os pobres no esto se importando com isso. Essa a segunda. Portanto, duas culpas: a de quem oferece educao pblica pssima e a de quem aceita as coisas da forma como esto.

A culpa do pobre imperdovel. Enquanto os filhos das classes operrias, principalmente os negros, no perceberem que a escola pode ser um meio de terem acesso a oportunidades culturais, econmicas e polticas, a vida deles no vai mudar para melhor. No mnimo, ficaro condenados mesma condio cultural, social e econmica de seus pais ou responsveis. 

O que fazer para colocar na cabea das camadas menos escolarizadas a convico de que preciso valorizar a educao escolar? Talvez as Igrejas pudessem fazer isso em suas pregaes; talvez as rdios FM, que se popularizaram muito nos ltimos anos; talvez, ainda, a Polcia Militar e as Associaes de Moradores. Eu sonho ver, um dia, os estudantes de escolas pblicas indo mais s bibliotecas, lendo livros nos nibus ou nos locais onde ficam esperando por algum atendimento, como bancos, hospitais, ponto de nibus. Eu no vejo essa cena. Voc v, leitor(a)?

Eu queria ver os filhos da classe operria, que precisam trabalhar, se distraindo, mas pegando fraes de tempo, valorizando qualquer dez minutos, para ler um pequeno texto, exercitar uma frmula de Matemtica ou Fsica, ou para assistir a uma vdeo-aula em seu celular. Eu queria ver isso, mas s vejo essas pessoas jogando conversa fora, rindo ingenuamente o tempo todo com a cultura intil de suas maquininhas. 

difcil (espero no ser impossvel) mostrar para esses alunos que o estudo investimento em si mesmos. No que a educao garanta sucesso, mas instrumentaliza as pessoas, de alguma forma, para encararem desafios. Chego a pensar que a pobreza, por mais humilhante que seja, traz alguma compensao para muitas pessoas. S pode ser. Caso contrrio, lutariam para se livrar dos pesos que ela nos traz. Dor e sofrimento no so opes: so imposies. Se pudermos livrar delas, temos de fazer o que for necessrio para isso.

Os alunos da classe mdia podem at ter suas razes para se relaxarem nos compromissos com a educao, porque sabem que tm pais com estrutura econmica para lhes dar certo suporte. Mas, no fundo, tm a conscincia de que alcanar alto grau de escolaridade uma chance de garantir um lugar ao sol. Valorizam a educao, ainda que contraditoriamente.

A mdia est noticiando que, hoje, somos 9,5 milhes de desempregados no Brasil. Nesse nmero a maior parte de famlias operrias que tm filhos na rede pblica. E muitos deles, pais e filhos, desprezam o que recebem na escola. Por sua vez, muitos gestores e docentes esto inventando notas para esses meninos serem aprovados, pois querem mascarar a imagem social de fracasso.

Na maior parte dos estados brasileiros, a escola pblica est sucateada e, no desespero, tem sido gerida com forte assistencialismo e paternalismo. Voc acha que o aluno pobre vai conseguir se promover socialmente nessa cultura absurda que ele e as administraes sustentam? Difcil, no? Como a realidade humana no est engessada em sistemas, continuo sonhando com a mudana dessa cultura escolar errnea e equivocada por outra que gere mais resultados positivos. Isso nos permite suspirar com um pouco menos de angstia.

Jos Antnio dos Santos

Mestre pela UFSJ

Contato: joseantonio281@hotmail.com



Você está lendo o maior jornal do Alto Paraopeba e um dos maiores do interior de Minas!
Leia e Assine: (31)3763-5987 | (31)98272-3383


Escrito por Educação, no dia 08/04/2016




Comente esta Coluna