Pesca


Chuva revigora a piracema, e pescadores esperam período de bonança



Aps dois anos terrveis (2013 e 2014), ocasio em que praticamente no tivemos a piracema devido falta de chuvas, felizmente no ltimo ano e no comeo deste, as chuvas tm cado com bastante regularidade, enchendo de esperana no somente os pescadores, mas a toda populao de um modo geral, j que a falta de gua estava se tornando uma ameaa cada dia mais real.

Falando sobre os prejuzos apenas na viso dos pescadores, sem a piracema dos ltimos anos, vrios recordes negativos foram batidos. Nunca se pegou to pouco peixe e tambm nunca se viu volume to baixo, tanto nas represas quanto nos rios. Sem condies naturais adequadas, a piracema foi seriamente ameaada e em alguns locais acreditamos que no aconteceu. Foi muito triste fisgar peixes ovados, de todas as espcies, praticamente durante todo o ano.

Sem a possibilidade de seguir o ciclo natural, os peixes no desenvolvem as ovas, que endurecem e no servem para mais nada. Surgiu ainda um agravante: com um volume baixo de gua, os peixes tendem a se aglomerar nos poos mais fundos, tornando-se desta maneira presa fcil para os chamados ?profissionais?, cuja ganncia no os deixam enxergar que esto cavando a prpria sepultura. Tivemos a oportunidade de presenciar fatos desta natureza no rio Paracatu, na regio do rancho ?Cinco Amigos?, onde pescadores deste tipo, aps acabarem com o rio Urucuia, esto fazendo ponto no Paracatu, matando peixes de todos os tamanhos e espcies.

Na vspera do incio da piracema eles estavam l e conseguiram pegar bastante surubins, na faixa de 10 a 30 Kg e no mostraram interesse em vender os peixes na beira do rio, visando a montar um esquema que praticamente funciona assim: pela legislao eles tm que declarar os peixes que tm em estoque para que possam comercializ-los durante o perodo da piracema. Ento o que eles fazem: declaram, por exemplo, 10 surubins, e no vendem estes peixes, mas continuam pescando e vendendo. Se houver alguma fiscalizao (algo muito raro) eles mostram os peixes declarados, que passaro a ser o objeto da venda. O fato envolve muitas etapas, e quem compra tambm ajuda a manter o esquema, j que se no houvesse compradores, eles no teriam razo para pescar. Algo como se no houvesse corruptores, no haveria corruptos, caso de difcil soluo.

Mas o volume de chuvas neste ano, ainda que alimente uma grande esperana, no motivo para grandes comemoraes. No sabemos a que nvel chegou sobrevivncia de algumas espcies, j que existem umas que so bastante vulnerveis. Quantas lagoas ribeirinhas conseguiram sobreviver? E os alevinos: ser que sero agora conduzidos ao leito do rio principal, em condies de seguir o ciclo normal e proporcionarem grandes emoes aos amantes da pesca esportiva? S o tempo poder dizer. Particularmente, acho que precisaremos de, no mnimo, mais um perodo de bonana.

Esperamos que no tenhamos mais que viajar longas distncias para praticar uma simples pesca de lambaris. A propsito, somente para relembrar, antigamente a gente os fisgava bem prximo a Lafaiete, no Almeidas, no Palmeiras, em Pedra do Sino, e em outros locais prximos. Com o passar do tempo, a distncia foi aumentando, rio do Peixe, em Piracema; rio Grande, em Ribeiro Vermelho; rio So Joo, em Inhama e Torneiros etc. Da apareceram os rios prximos a Dores do Indai, Os 3 Jorges, e o mais famoso de todos,  o crrego dos veados, situado a 360 Km de Lafaiete, mesma distncia de Trs Marias. No bastou, os lafaietenses j esto pescando no rio Quebra Anzol, no Triangulo Mineiro, bem prximo cidade de Arax, a exatos 480 Km de distncia. Qual ser nosso limite, se que ele existe.

 

 



Você está lendo o maior jornal do Alto Paraopeba e um dos maiores do interior de Minas!
Leia e Assine: (31)3763-5987 | (31)98272-3383


Escrito por Pesca, no dia 12/02/2016




Comente esta Coluna