Educação


Professores idealistas



Sinto que cresce o nmero de professores idealistas. Eles querem construir uma nova docncia e esto dispostos a trabalhar de forma coletiva com outros colegas e com os responsveis dos estudantes, pois j perceberam esto percebendo valores morais e acadmicos dessa deciso.

H uma fbula motivacional, de autor desconhecido, que vou reproduzir aqui, mas direi, em seguida, por quais razes no concordo inteiramente com o contedo dela. Diz: ?Era uma vez uma floresta, onde vivam muitos animais. Certo dia, houve um incndio e todos os animais fugiram, procurando salvar-se das chamas. Apenas um beija-flor teve um comportamento diferente. Voava at o lago, apanhava algumas gotas de gua e jogava-as no incndio. Um outro animal, intrigado, interrompeu sua fuga e perguntou:

- Beija flor, acreditas que vais apagar o incndio dessa forma?!

- No, claro que no ? respondeu o beija-flor ? mas estou fazendo a minha parte.?

As fbulas so interessantes, porque podem levantar o moral das pessoas e podem ajudar os mais desanimados e dar sua cota de contribuio para melhorar seu ambiente de trabalho. Todavia, quase sempre elas reforam a ideologia da ao isolada dos sujeitos, o ?cada um por si e Deus por todos?, o individualismo, o heri gnio, como se a histria coletiva fosse o resultado do processo de trajetrias pessoais, bastando cada um fazer a sua parte.

Eu no concordo com essas vises. Elas so pretenciosas e, por isso mesmo, desastrosas. O grande problema dessas fbulas no levar em considerao que, para se tornar realidade consistente, o idealismo s vinga se for processo construdo de forma coletiva. Essas histrias esvaziam a fora das aes coletivas e deixam a triste, mas errnea, concluso na cabea dos professores de que se as coisas no mudam por incompetncia e culpa deles.

O Brasil est cheio de professores idealistas que tentaram fazer a sua parte e viram suas aes serem diludas e no terem o impacto esperado. Esses professores acreditaram que a fora-tarefa deveria ser obrigao individual e essa viso deles foi equivocadamente reforada por fbulas como essa. Vrios deles abandonaram a profisso, outros se acomodaram e um sem nmero comeou a tirar licenas, para no ficarem doentes ou por j estavam mal. que quando a alma est triste, o corpo fica doente. Professores que acharam que deviam lutar sozinhos acabaram caindo na sndrome de Burnout foram ignorados pelo sistema.

H aqueles que esto percebendo os limites do idealismo levado para as escolas de forma individual e esto comeando a discutir sade docente e gesto escolar numa dimenso mais horizontal, flexibilidade do tempo e espao escolares luz da LDB 9394/96, currculos escolares e escola de tempo integral, formao de professores e novas formas de avaliao, trabalho coletivo docente e processos de avaliao, para bem alm das questes salariais que no deixam de ser indispensveis.

Esses professores idealistas sabem que s vo conseguir tirar a escola da contradio do discurso de formar alunos crticos e participativos, quando forem os primeiros a construrem um ambiente que lhes assegure as condies reais para tambm praticarem essas habilidades.

Esses professores esto dispostos a acabar com o trabalho individual que fazem na solido da sala de aula e a iniciarem prticas coletivas. Eles precisam de muita unio e da capacidade para persuadirem seus superiores imediatos da necessidade de um trabalho mais coletivo, pois muitos diretores ou tcnicos afirma de maneira errnea que o trabalho coletivo no acontece, porque os professores no querem. Pense nas razes de cada lado e discuta o assunto de forma corajosa com seus colegas.


Jos Antnio dos Santos

Mestre pela UFSJ

Contato: joseantonio281@hotmail.com



Você está lendo o maior jornal do Alto Paraopeba e um dos maiores do interior de Minas!
Leia e Assine: (31)3763-5987 | (31)98272-3383


Escrito por Educação, no dia 12/02/2016




Comente esta Coluna