Educação


A crueldade do currículo no ensino médio



Gostaria de voltar discusso sobre o Ensino Mdio, que considero etapa essencial da vida do adolescente, porm tratada com muita crueldade pelo tipo de currculo adotado e pelo estilo de adestramento de que ele se reveste. Estudantes se acostumaram com a ideia, reforada por professores, diretores e coordenadores, de que o Ensino Mdio tem de ser fase de treinamento para as provas oficiais para garantirem o ingresso no ensino superior. Passam trs anos memorizando e repetindo frmulas, fatos geogrficos e histricos e se distanciam de sua prpria histria.

No por pouco que muitos deles conseguem se preparar para fazer qualquer vestibular e obterem sucesso nas provas para qualquer curso, mas no sabem com qual se identificam. Esto longe de ter ideias claras e distintas sobre suas habilidades e competncias pessoais, pois passaram sem conhecer a si mesmos, longe de si mesmos. Por mais que Scrates lhes dissesse a cada um: ?Conhece-te a ti mesmo?, cada dia mais eles se distanciaram do seu autoconhecimento, nessa etapa que poderia ser a mais expressiva de suas vidas, para se enxergarem como pessoas, sujeitos, cidados e futuros profissionais.

O Ensino Mdio tem servido para formar pessoas repetidoras de frmulas e fatos que, mais frente, como formigas tontas, pulam de um curso a outro no se identificando com nenhum deles. De veterinria vo para o jornalismo, de enfermagem passam administrao de empresas e por a vai. Sei que existem pessoas com habilidades bem diversificadas, que so mdicos escritores com maestria, mas no disso que estou tratando aqui.

Mesmo no sendo formado em Histria, dei aulas dessa disciplina no Ensino Fundamental e Mdio durante anos. Por anos a fio eu questionei, mas tive de me submeter a currculos com os quais no concordava. Eu me submeti a elas, mas quem trabalhou comigo sabe que foi a contragosto. Hoje fico a pensar qual seria o efeito das aulas de Histria na formao cidad e na atuao profissional dos adolescentes, se o currculo no estivesse voltado para o mero treinamento para avaliaes oficiais de ingresso ao curso superior.

So muito frequentes os casos de ex-alunos que mudaram radicalmente seu pensamento, seu sentimento e suas atitudes depois que se apaixonaram por alguns captulos da Histria Geral ou do Brasil. S que sofreram, deveras, pois no puderam escolher para estudar os captulos pelos quais sentiram maior fascnio e tiveram maiores interesses. Pelo bem ou pelo mal, alguns alunos disseram que passaram a estudar Histria por causa das minhas aulas. E olhe que no podiam escolher o que estudar, pois os captulos eram impostos; o contedo programtico era para treinar para o vestibular.

Agora que no estou mais em sala de aula, desacelerado no trabalho, podendo digerir as obras da historiadora Mary Del Priori, cada dia mais, vejo a necessidade de questionar o currculo do Ensino Mdio, h muito tempo etapa pobre do sistema de ensino. Fico triste ao perceber que o prprio aluno s quer treinamento para garantir um lugar ao sol do mercado. Como se a razo da vida humana fosse s produo para o mercado. A cada dia vou entendendo melhor o conceito de inutilidade defendido por Rubem Alves.

Se voc estiver interessado nessa discusso, acompanhe as duas prximas edies. Vou escrever a partir da pesquisa da professora Priori que tenho lido e estudado. As adolescentes precisariam conhecer essa autora. E o currculo do ensino mdio precisa estar aberto para textos tambm dela. Penso ser direito e dever dos adolescentes sobre a sexualidade feminina, do perodo colonial aos nossos dias. Por que no ns homens tambm? A linha historiogrfica de Mary Del Priori estudo indito no Brasil e algo simplesmente fascinante!

Meu prximo artigo ser sobre a crueldade do currculo e crueldade com as meninas do ensino mdio. Vai lendo isso tudo e opine, se voc quiser. O contato est no incio.

Jos Antnio dos Santos

Mestre pela UFSJ

Contato: joseantonio281@hotmail.com

 



Você está lendo o maior jornal do Alto Paraopeba e um dos maiores do interior de Minas!
Leia e Assine: (31)3763-5987 | (31)98272-3383


Escrito por Educação, no dia 30/12/2015




Comente esta Coluna