Educação


Formação de professores e qualidade de ensino



Os conceitos sobre formao e qualidade no so to simples como parecem. Podemos tratar deles pensando em prticas antigas de sala de aula ou sonhando com novas formas de dar aulas. Prefiro pensar nessa segunda, mas o ponto de partida e de chegada da entrevista abaixo o velho e superado sistema de ensino. Enfim...

Em entrevista, o ministro da Educao, Aloizio Mercadante, afirma que, "Se formssemos nossos mdicos como formamos nossos professores, os pacientes morreriam". Por que ele afirma isso? Ele estaria pensando em um novo modelo de escola como a medicina tem buscado novas metodologias de aprendizagem?

O entrevistador aperta nas perguntas, questionando o atraso no ensino e o impacto sobre a produtividade. O ministro defende a ideia do aumento de acesso de 2,4 contra 7,5 milhes de acesso atuais ao que seguido da pergunta sobre a permanncia e a evaso dos alunos, principalmente no ensino mdio.

Mais profissionalizao a resposta do ministro da Educao, Aloizio Mercadante, anlise de economistas de que falta qualidade ao ensino brasileiro e, sem isso, a economia do pas no crescer de forma sustentada. Que qualidade essa? De qual qualidade ele est falando? Dizer que o ensino recebido pela elite brasileira de qualidade, depois que os ricos do Brasil tiram notas mais baixas do que os estudantes de escola pblica (isso mesmo) de pases latinos menores e com, aparentemente, com menos potencialidade do que ns? Fica difcil definir o que as autoridades chamam de ensino de qualidade e que tipo de formao eles defendem para os professores.

A formao dos professores tem que se voltar para a prtica, diz: "Se formssemos nossos mdicos como formamos nossos professores, os pacientes morreriam". Aqui ele sinaliza, possivelmente, para a Problem Based Learning ? a PBL, acredito. o caminho metodolgico que algumas universidades tm adotado mirando o modelo dos EUA. 

Ao ser interrogado sobre a anlise dos economistas que tm dito que o Brasil no vai crescer de forma sustentada sem aumento de produtividade e que a qualidade da educao est na raiz desse aumento, mas o ensino no melhora, o ministro responde que o Brasil precisa acelerar a transio para uma economia do conhecimento, educao, cincia e tecnologia e inovao. Honestamente, eu no vejo as gestes escolares, nem os alunos, nem as famlias visando a isso. O que cada aluno e famlia parecem buscar um lugar ao sol a qualquer custo. Ainda que eles precisem de uma capa chamada escola atravs da qual possam viver sombra de algum ou de alguma benesse, reclamando de que a capa est furada.

De fato, a escola tradicional tem sido uma furada. No tem assegurado nenhum desses desenvolvimentos desejados pelo ministro. Por isso, preciso colocar em pauta um debate urgente sobre o que queremos dizer sobre formao de professores e qualidade de ensino. Precisamos dos dois, mas tero de ser diferentes do que conhecemos.

Voc vai ver que o resto da entrevista continua falando do novo, mas os alicerces e as bases continuam as antigas. No vejo como fazer o milagre de reestruturao da escola com conceitos antigos. O resto da fala do ministro pode ser acessado em http://www1.folha.uol.com.br/mercado/ 2015/11/1712167-se-pais-formasse-medicos-como-professores-pacientes-morreriam-diz-mercadante.html

 

Jos Antnio dos Santos

Mestre pela UFSJ

Contato: joseantonio281@hotmail.com



Você está lendo o maior jornal do Alto Paraopeba e um dos maiores do interior de Minas!
Leia e Assine: (31)3763-5987 | (31)98272-3383


Escrito por Educação, no dia 18/12/2015




Comente esta Coluna