Silvio Lopes


As Pedras de Rio Espera



Pedras e pedras insólitas
Mal divididas, estranhas,
Por todo canto.
Desencanto puro.

Estamos inermes e as lágrimas
Sem nenhuma magia desejam
Cuidar de toda alma.

As pedras inertes depuram
Na solidão do vento gélido,
O enquadramento das
Nossas sujeições de uma vida,
De uma vida toda.

Me faz falta os espinhos,
Acúleos que não tenho
Quando mais preciso.

Sílvio Lopes de Almeida Neto



Você está lendo o maior jornal do Alto Paraopeba e um dos maiores do interior de Minas!
Leia e Assine: (31)3763-5987 | (31)98272-3383


Escrito por Silvio Lopes, no dia 05/08/2019

Silvio Lopes de Almeida Neto


Advogado


Comente esta Coluna