Colunas


Frei 1435/ 2018



É vero

A repercussão da última coluna deste irascível escriba chamou a atenção de muitos leitores, assinantes e anunciantes, que enviaram e-mails, comentários e prosas no genuflexório.  Um comentário, em especial, merece dez foguetinhos daqueles bem fortes. Trata-se da cartinha do senhor Luiz Carlos Possa, que resume, de forma brilhante, a situação pela qual a cidade e a população estão passando.


A íntegra

?Após ter lido a coluna de Frei Tibúrcio, chego à seguinte conclusão: a impunidade é a mãe da reincidência?, Luiz Carlos Possa.


Vade retro

Diante da falta de controle e, também, de perspectiva por parte da população, já cresce em CL a possibilidade de se criar um movimento que resgate a autoestima e restabeleça a ordem na cidade. A violência chega cada vez mais perto de todos, inclusive dos que só defendem o seu próprio umbigo.


Continua

O protesto da coluna reivindicando mais segurança para nossa população vai continuar, mesmo que isso dure a vida toda. Chegamos ao limite.


108 anos

Prestes a celebrar 108 anos de vida, o glorioso Guarany Esporte Clube, conhecido nos meios esportivos como o ?Vovô da Colina?, teve seu centenário estádio praticamente destruído por uma diretoria incompetente e foi cobaia para inúmeras aventuras irresponsáveis e danosas a seu rico patrimônio e história.


Sai fora

Esses mesmos caras que levaram o glorioso ?Vovô da Colina? ao fundo do poço, continuam lá, à frente da diretoria, fazendo não se sabe o que e nem com que propósito. Na rica sede do clube, na avenida Dom Pedro II, há algumas lojas alugadas e ninguém sabe o que está sendo feito com os recursos pertencentes ao clube. A única certeza é que o estádio está destruído, abandonado e não serve mais para nada.


Preocupação

A preocupação da coluna com o ?Vovô da Colina?  está diretamente ligada à violência que destrói, irrita e amedronta o cidadão de bem. À medida que os campos de futebol e as quadras vão sendo abandonados e vilipendiados, crescem na mesma proporção o consumo e o tráfico de drogas. Ou seja: o jovem que deixa de praticar esportes caminha a passos largos para o mundo do crime, geralmente, sem volta. Oremos!


Escrito por Frei Tibúrcio, no dia 31/08/2018