Colunas


Frei 1424/2018



Caos
Os caminhoneiros conseguiram parar o país durante 10 dias, provocando um verdadeiro colapso econômico, social e político. As cidades decretaram estado de emergência e devem retomar a normalidade num prazo de uma ou duas semanas. Ainda faltam gasolina, álcool e diesel, além de alimentos e hortifrutigranjeiros. A confusão em Lafaiete e cidades da região é ampla, geral e irrestrita.

Que coisa
A coluna já havia alertado para a dependência da nação com as estradas e os caminhões em notas passadas e isso ficou escancarado com este movimento dos choferes. Mais do que nunca, o Brasil, que terá eleições gerais em outubro, precisa rever as estratégias e investir pesado em ferrovias ? alavanca do progresso de qualquer nação de primeiro mundo ? e também nas hidrovias. Que isso seja a proposta principal de todos os pré-candidatos a presidente da República.

Agora vai
Ficou escrachada, também, a falta de legitimidade do presidente Michel Temer. Sem apoio popular e acuado por críticas cada vez mais severas e pesadas, Temer sairia de cabeça erguida do Palácio do Planalto se convocasse, com apoio do Congresso Nacional, a antecipação das eleições gerais para junho ou julho. Seria o máximo para o povo brasileiro, que não enxerga em Temer o presidente legítimo da nação.

Nota 1000
Diante do caos que se instalou em nossa cidade ao longo dos últimos 10 dias, é preciso destacar e louvar a atitude de muitos empresários e pessoas da comunidade, que simplesmente abraçaram a causa dos caminhoneiros e doaram alimentos, água, carnes e itens de primeiras necessidades para o mutirão que se formou na Barreira. No local, mais de 150 choferes e dezenas de pessoas necessitadas tomaram café, almoçaram, lancharam à tarde e jantaram durante todos esses dias. Um verdadeiro espetáculo de solidariedade.

Serenidade
Não se consegue voltar à normalidade depois do caos, com violência e prepotência e só olhando para o próprio umbigo. Agora é ter calma e serenidade para a vida voltar ao normal.  É o que todos nós queremos e sonhamos.


Escrito por Frei Tibúrcio, no dia 07/06/2018