Colunas


Currículo, material didático, formação, avaliações: as faces da Base Nacional



A Base Nacional Comum Curricular (BNCC) para o Ensino Fundamental já foi homologada e as escolas precisam se adequar para começar a aplicar as mudanças em 2020. Mas quais serão as mudanças impostas? As principais mudanças vão ocorrer na revisão do currículo escolar e no material didático; na formação de professores e nas avaliações pautadas em habilidades. Será um desafio enorme, pois tudo isso terá de ser construído pelas escolas e não serão impostas pela BNCC, além dos grandes eixos das áreas de conhecimento.
?Apesar de ser conhecida pelo termo "currículo nacional", a Base não é um currículo escolar. "O currículo não é nosso, é das escolas", disse Rossieli. No texto final da BNCC, ficou definido que as escolas terão até 2020 para revisar seus currículos ? algumas precisarão começar do zero.? ?Alessio Costa Lima, presidente da União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime), explica que algumas escolas já têm currículos mais detalhados e profissionais mais capacitados para a elaboração das mudanças necessárias, enquanto outros têm mais carência nessa área.? Fico pensando nas escolas que têm corpo docente com formação deficitária e direção sem compromisso que apequena as mudanças macaqueando as práticas, fingindo oferecer o que outras escolas sérias vão fazer bem feito.
?Para apoiar as redes, o Ministério da Educação diz que vai criar uma rede com coordenadores em cada estado. De acordo com Alessio, a Undime e o Conselho Nacional de Secretários Estaduais de Educação (Consed) vão indicar um coordenador cada um por estado.? Acho essa medida bastante plausível, mas insuficiente para forçar muitos professores e diretores a reverem sua cultura escolar. Nossa prática conservadora está de tal forma sedimentada que a muitos professores vão preferir desistir da profissão. Honestamente, esses professores também não estão felizes com o desprezo dos alunos por suas aulas e pensam em desistir também do modelo clássico. Quem está vivendo desse drama e conflito deveria estar muito aberto a mudanças. Mas a realidade é bem mais contraditória do que parece. E esses docentes parecem que não nasceram para serem educadores.
Rossieli, do MEC, diz ainda que o governo federal deve lançar uma ferramenta online específica para ajudar na implementação da Base nos currículos. "Agora que temos a base aprovada, vamos começar a trabalhar para organizar essa plataforma". Além disso, o Movimento pela Base divulgou, em maio deste ano, um guia para auxiliar na implementação da Base. Alessio explica que o guia não indica modelos de currículos para serem copiados, mas sim, lista e dá orientações sobre uma série de ações que precisam ser tomadas no processo de criação do currículo?.
Essas notícias são bastante animadoras, mas as escolas precisam mudar atitudes mentais para conseguirem realizar mudanças que realmente sejam impactantes e diferentes das práticas de sala de aulas conservadoras. Não estou vendo diretores e professores empenhados em romper com antigas ideias e antigas práticas. Quem vai fazer a revolução cultural na cabeça deles, me diga! Vou torcer para eu estar sendo pessimista, mas apenas eu. (rs).

 

José Antônio dos Santos

Mestre pela UFSJ.

Contato ? joseantonio2812hotmail.com


Fonte comentada: <https://g1.globo.com/educacao/noticia/curriculo-material-didatico-formacao-e-avaliacoes-entenda-os-proximos-passos-da-base-nacional-comum-curricular-bncc.ghtml > . Acesso aos 19/maio/201




Escrito por Educação, no dia 02/06/2018