Educação

Base curricular e estrutura das escolas

Dois anos de debates acalorados e de páginas editadas por especialistas de todo o país podem ser perdidos se a base nacional curricular não conseguir dar o seu passo mais difícil: a implementação.

Para que o guia curricular anunciado nessa quinta-feira (6) passe a valer em 2019 após apreciação final do CNE (Conselho Nacional de Educação) ? que ainda deve levar quase um ano ?, será preciso investir na infraestrutura das escolas de todo o país.

Na prática, a base nacional curricular projeta aquilo que a educação deve ser no futuro, por meio da descrição das habilidades desenvolvidas a cada ano letivo em quatro áreas do conhecimento: linguagens, ciências da natureza, ciências humanas e matemática. O que a terceira e atual versão da base mostra (a discussão começou em setembro de 2015) é que a educação brasileira será mais experimental e menos expositiva.

O eixo de ciências nos anos finais do ensino fundamental (dos 12 aos 14 anos), por exemplo, é recheado de habilidades como "planejar e executar experimentos que evidenciem que todas as cores de luz são formadas pela composição das três cores pri­márias da luz." A ideia é ótima e tem sido elogiada por especialistas. Para desenvolver de fato essa capacida­de nos nossos estudantes é preciso pla­ne­ja­mento, treinamento de professores e material.

Hoje, apenas uma em cada dez escolas públicas, que oferecem ensino fundamental (1º ao 9º ano) no Brasil, tem laboratórios de ciência, de acordo com dados do Censo Escolar 2015.  Isso dá menos de 10 mil escolas de ensino fundamental regular, de um total de 112.393 espalhadas pelo país. Experiências de sucesso fora do Brasil, no entanto, têm mostrado que a própria escola e seu entorno podem servir de "laboratório" para aulas. Os professores podem, por exemplo, convidar os alunos a resolver um problema real. A literatura de educação tem vários exemplos de experiências pedagógicas nes­se sentido em todo o mundo. Há casos também no Brasil.

Nos primeiros anos do ensino fundamental público de uma cidade pequena de pescadores na Paraíba, o então estudante Matheus Augusto Silva desenvolvera uma solução para retirar matéria orgânica e inorgânica que se acumulava no açude da cidade.

O projeto deu tão certo que foi apresentado, na época, a vereadores da cidade de Boqueirão, onde ele morava. Foi implementado. Matheus, hoje, tem 24 anos e foi estudar engenharia química na renomada WPI (Worcester Polytechnic Institute), perto de Boston, nos EUA. Para que esse tipo de experiência pedagógica seja corriqueira nas escolas brasileiras é preciso treinamento intenso de professores ?o que, diz o MEC, deve começar em 2018.

Também é preciso recursos: kits de experimentação, pequenos instrumentos, pilha, cabos, madeira. Vamos incluí-los no material escolar? Mais: o ensino por experimentação também demanda pesquisa - o que, hoje em dia, é impossível sem acesso à internet. No Brasil, a maioria das escolas tem laboratórios de informática trancafiados em salas que ninguém acessa e a internet, quando existe, não dá conta de pequenos downloads.

Se a base curricular não for acompanhada de uma implementação bem planejada, o documento de cerca de 300 páginas ficará desconectado da realidade. E as escolas seguirão ensinando ciências na lousa.

José Antônio dos Santos

Mestre pela UFSJ

Contato: joseantonio281@hotmail.com

Disponível na Folha de São Paulo.      Título adaptado.


Coluna enviada no dia 22/02/2018




Comente esta coluna

Galerias

Adjan Ela & Casa realiza a terceira edição do Dia da Noiva

Enquetes

Qual notícia chamou mais sua atenção?


Enquetes 2


No momento, não temos nenhuma enquete ativa.


Colunistas




EXPEDIENTE

DIRETOR-PRESIDENTE E EDITOR: Luiz Fernando de Andrade GERÊNCIA GERAL: Clésio Samuel Luiz Peixoto SUB-GERENTE: Edmilson Moreira Dutra REDATORA: Juliana Monteiro REDATOR-ADJUNTO: Hugo Pacheco Jr. REPORTAGEM: Frances Santana / Rafaela Melo PAGINAÇÃO GRÁFICA: Daniel Vieira / Raquel Gonçalves PUBLICIDADE: Mara Rúbia de Oliveira Silva / Silvana Ribas REVISÃO E DIGITAÇÃO: Jussara Andrade COORDENADOR DE ESPORTES: Amauri Machado (DRT 08266) BANCO DE DADOS: P. de Souza SECRETÁRIA: Norma Aparecida Vitoreti Ramalho CIRCULAÇÃO: Valdiney Rodrigo Vieira Rodrigues IMPRESSORES GRÁFICOS: Wilson Ricardo de Souza / Willian Ribeiro CONSELHO EDITORIAL: Dr. José Álvaro Castanheira / Luiz Fernando de Andrade / Clésio Peixoto / Juliana Monteiro